A luta contra a bala, contra o vírus e contra a banalização da morte

O Estado brasileiro continua matando à bala em meio ao massacre do coronavírus

Covid-19 nos presídios: “Metade da cela tá com sintomas”, diz detento

Em cartas, presos relatam medo, preocupação e falta de informação em relação à pandemia de coronavírus, ao mesmo tempo em que pedem oração e buscam tranquilizar os parentes.

Secretaria de Administração Penitenciária diz que denúncias não procedem.

Justiça por Guilherme: “Meu neto saiu no portão pra olhar a rua e nunca mais voltou”

Adolescente de 15 anos foi sequestrado e encontrado morto no domingo. População da Zona Sul de SP se revoltou

Com máscaras e álcool em gel, povo vai às ruas contra racismo e fascismo

Ato acontece neste domingo (07/06), na avenida Paulista, em São Paulo

De Marielle a Paraisópolis: Procurando brechas pra resistir ao genocídio do Estado

Massacre na favela completou 100 dias, enquanto mortes de vereadora e seu motorista já fazem 02 anos sem resolução

“Venceremos”: Qual é o projeto do povo negro para o Brasil? Confira!

Um projeto baseado na potência transformadora de mulheres, homens, jovens, pessoas LGBTQI+, favelados e periféricos, aquilombados e ribeirinhos, encarcerados e em situação de rua, negras e negros que formam a maioria do povo brasileiro. Assim é o projeto de país idealizado e assumido pode dezenas de organizações do movimento negro espalhadas pelo território nacional, formalizado […]

Na semana dos Direitos Humanos, Paraisópolis marcha contra o genocídio

Outras atividades abordam questões das mulheres negras e periféricas, violência e prisões sem provas

EDITORIAL: No Baile da DZ7 e todos os dias do ano, o Estado racista persegue, encurrala, pisoteia e mata a gente

Opinião da Periferia em Movimento

Quebra das Ideias: Como sair da política de morte para uma política de vida?

Neste dia da Consciência Negra (20/11), relembramos o tema da segunda edição do programa Quebra das Ideias, em que a Periferia em Movimento abordou a “necropolítica” – quando governantes adotam como prática de Estado matar diretamente ou deixar morrer grupos considerados “indesejáveis”: o povo negro, os povos indígenas, das periferias, a população LGBT.

Dia de Finados: Por quem choramos?

Localizado na Zona Sul de São Paulo, o Cemitério São Luiz ficou marcado como destino de milhares pessoas que morreram vítimas da violência e violação de direitos na região, principalmente nos anos 1990. O que mudou desde então?

ALERTA! Coronavírus e as quebradas

Confira nossa cobertura

Apoie nossa cobertura jornalística

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: