Matriarcas: Célia Marina resgatou a identidade negra e fez a cabeça de uma quebrada inteira

Texto por Thiago Borges. Idealização, pesquisa e reportagem por Lucimeire Juventino. Roteiro: Thiago Borges. Edição de vídeo por Pedro Ariel Salvador Cabelos soltos, trançados, com dreads, estilizados… A identidade negra está presente nas ruas do Grajaú, o segundo distrito com maior percentual de população negra da cidade de São Paulo (56,8%, de acordo com o […]

“Quebra Quebranto”, das Clarianas, e mais 06 sons pra encerrar o ano de pé

Eita, ano difícil de enfrentar esse 2019. Por isso, a Periferia em Movimento faz uma seleção final, uma saideira, falando de autocuidado, resgate da memória, resistência e perspectivas. Confira!

Cenas, canções e conversas: 05 rolês pra fazer nas periferias da Zona Sul de SP

As quebradas abrigam sarau, espetáculos, música e muitos encontros para troca de ideias.

De Parelheiros ao Campo Limpo: debates, oficinas, música, teatro + 03 saraus pra colar

Pra finalizar novembro e iniciar o último mês de 2019, com ritmo de atividades acontecendo, a Periferia em Movimento indica 09 rolês e formações pra fazer entre sexta-feira (29/11) e domingo (01/12) em quebradas da Zona Sul de São Paulo. Confira! “Cores da Rua”, Zumbi e muita música O grupo Teatro de Rocokóz dá sequência […]

“Grajaú contra o racismo” movimenta quebrada com debates, oficinas e intervenções culturais

Evento acontece entre sábado e domingo (30/11 e 01/12). Confira!

UniGraja faz intervenção “Raízes Periféricas” (e mais 04 atividades pra colar neste fim de semana)

Confira o que separamos pra você!

Feriadão com vivências eco-terapêuticas, rodas de conversa e muita poesia

Confira a programação dos próximos dias!

Matriarcas: No país da professora Maria Vilani, ela rega perspectivas de futuro com arte e cultura

“Grajaú é o meu país”. Esse é o lema de Maria Vilani, de 69 anos. E não é só porque o distrito localizado no Extremo Sul de São Paulo é o mais populoso da cidade – oficialmente, com mais de 360 mil habitantes –, mas também porque foi nesse chão em que essa cearense natural da capital Fortaleza finca raízes e constrói possibilidades desde 1982.

Ampliando saberes: Vivências abordam teatro, narrativas e moda nas periferias, além de empreendedorismo ambiental e residência artística

Mesclando saberes ancestrais e novas tecnologias, as periferias produzem conhecimento

Espetáculos sobre ancestralidade negra e festival LGBTQIA+ movimentam periferias de SP

Confira o que rola no primeiro final de semana de outubro!

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: