Gás e combustível mais caros preocupam quem faz comida pra vender e depende de carro pra ganhar a vida

Gás e combustível mais caros preocupam quem faz comida pra vender e depende de carro pra ganhar a vida

Thiago Borges

Thiago Borges

Motoristas de aplicativo, pessoas autônomas e quem tem pequenos negócios de alimentação refazem os cálculos diante dos aumentos. O que tá por trás das novas altas? Entenda!

O esforço de Angelândia Roseli, de 38 anos, tem sido cada vez maior por um retorno que só diminui. Junto da irmã, há 3 anos ela mantém uma pastelaria no Jardim Ingá (região do Campo Limpo, zona Sul de São Paulo). São 10 horas por dia na cozinha para dar conta de todo o serviço.

Porém, o novo aumento dos combustíveis anunciado na quarta-feira passada (9/3) pelo governo de Jair Bolsonaro gera preocupação na microempreendedora, que já tem de lidar com a inflação generalizada.

“Na alimentação, o impacto foi muito grande. O aumento de todos os produtos foi absurdo, desde a massa, a cana, a gordura vegetal, o queijo…… A energia e o gás , nem se fala (…) Infelizmente, hoje estamos trabalhando praticamente para não baixar as portas, se desdobrando principalmente para não perder a qualidade, e pedindo a Deus para que a situação mude”, continua Angelândia Roseli, que tem uma pastelaria e precisou demitir a única funcionária para equilibrar o caixa.

O preço do gás de cozinha subiu 16,1%. A Petrobras também aumentou em 18,8% o preço da gasolina nas refinarias. E o diesel ficou 24,9% mais caro.

Por isso, a preocupação na casa de Roseli é dobrada. Além dela, que depende do gás para fazer os pastéis, seu marido Rafael Mendes, 38, é diretamente afetado pelo aumento da gasolina. Desde 2018, Rafael é motorista de aplicativo. Ele passa em média de 8 a 10 horas por dia no trânsito. São de 200 a 300 quilômetros percorridos por dia de trabalho. Nesse período, viu a despesa com gasolina mais que dobrar: se antes gastava de R$ 50 a R$ 60 por dia com combustível, hoje esse valor chega a R$ 130.

“Fora, é claro, todo o gasto com a manutenção do carro e as taxas das empresas de aplicativos, que também estão absurdas”, explica ele. “Antes da pandemia, até que dava um bom lucro, que dava para as despesas de casa e sobrava um pouquinho para o lazer. Hoje, está muito difícil sobreviver com o essencial. E olhamos para frente e infelizmente não vemos uma saída”, desabafa.

Diante do aumento de combustíveis, empresas como Uber e 99 anunciaram um reajuste temporário no ganho de motoristas.

Já o representante comercial Marcelo Bonifácio, 39, vai ter de arcar sozinho com o custo extra. Diariamente, ele sai do Jardim Celeste (zona Oeste de São Paulo) para oferecer medicamentos para ao menos 10 farmácias na zona Sul paulistana, entre Pedreira e Santo Amaro. Como é autônomo, ele utiliza o próprio carro para o transporte e arca com todos os custos. Para um trajeto médio de 40 quilômetros por dia, gasta em torno de R$ 1 mil por mês – o que deve subir com a gasolina mais cara.

“Esse aumento afeta diretamente meu orçamento, já que não tem por onde compensá-lo”, diz ele. Casado e pai de 2 filhas, ele acredita que vai precisar deixar comprar alguns alimentos, pois não consegue cortar outras despesas.

Pressionado pela inflação às vésperas das eleições, o governo federal deve tomar medidas como a diminuição do preço do diesel a partir da lei que determina alíquota única do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e a possível adoção de subsídios para combustíveis.

 

Impacto direto

A economista Patrícia Costa explica que o aumento do preço dos combustíveis tem impacto direto na economia. Além de motoristas de aplicativo, a gasolina mais cara atinge principalmente as classes média e alta da população, que mais utilizam veículos individuais. Já o diesel em alta prejudica toda a cadeia produtiva, uma vez que a maioria dos produtos brasileiros é transportada por caminhões.

“O alimento é produzido no campo e todo deslocamento, seja para manufatura ou consumo direto nos centros urbanos, é feito com diesel”, explica Patrícia, que é supervisora de preços do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Patrícia explica que os preços da alimentação já vivem sob pressão por conta de fatores como o clima (com prejuízos causados pela falta ou excesso de chuvas) e a forte demanda externa aliada à cotação do dólar (com o real desvalorizado, o agronegócio prefere vender para outros países do que no mercado brasileiro porque faturam mais).

Com a guerra na Ucrânia e as sanções impostas por outros países a produtos da Rússia, acontece esse aumento generalizado de derivados de petróleo ao redor do mundo e também de produtos alimentícios. Um exemplo é a soja: a Ucrânia é grande produtora de girassol, utilizado para fazer óleo de cozinha. Com o conflito, o óleo de soja feito no Brasil passa ser muito mais requisitado.

O Brasil poderia sentir menos esse impacto global se não tivesse se alinhado ao preço do petróleo internacional, em vigor desde o governo Michel Temer. Autossuficiente em produção de petróleo, desde então a Petrobras reajusta os preços de acordo com o mercado global.

Além disso, desde 2014 o País tem desmantelado o estoque público de grãos, como arroz, milho e soja. Em uma safra com muitas chuvas ou seca, ter esses itens estocados permitiria ao governo disponibilizar o que tava armazenado e regular os preços – controlando a disparada nas gôndolas.

Todos esses fatores contribuem para que a população brasileira fique mais vulnerável em situações de crise. Mas essa crise não é igual para todo mundo.

Foto mostra supermercado
Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

 

Patricia explica que o preço dos alimentos pesa muito mais no orçamento de famílias de baixa renda. A inflação geral medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) do IBGE acumulou alta de 10,54% em fevereiro. Já o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que mede o consumo de famílias que ganham até 5 salários mínimos, acumulou um aumento de 10,80% no período.

“A gente tá vivendo um processo de empobrecimento de mercado de trabalho, que não gera emprego e renda e famílias estão extremamente empobrecidas”, diz a economista.

Essa é a percepção de Edson Leite, 38, que atualmente mora em Osasco (região metropolitana de São Paulo). O chef de cozinha é fundador do Gastronomia Periférica, um negócio de impacto social que capacita jovens de periferias no ramo e presta serviços diversos, com restaurante e realização de eventos. Em média, a iniciativa gasta um botijão de gás por mês. Mas Edson sabe que esse não é o único problema.

“Os aumentos impactam diretamente na alimentação, a gente acaba comendo menos, comendo mal e abre mão de outras coisas (…) Pra gente, é muito mais cruel”, conclui o chef.

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Com crise climática e inflação na roça, orgânicos ainda atravessam ponte mas não param no prato das periferias

Do combustível ao adubo, alta generalizada dos preços afeta quem produz alimentos orgânicos na zona rural da capital paulista. Para não repassar custos, famílias agricultoras diminuem a já apertada margem de lucro e desaceleram produção que é insuficiente e foi prejudicada pelas chuvas. O acesso da população mais pobre à comida saudável fica ainda mais difícil. Entenda e conheça alternativas!

Apoie!
Skip to content