Irene & Valéria: “Vou de bike” No bate-papo entre as amigas inseparáveis, Valéria apresenta pra Irene um universo de possibilidades e cuidados pra viver a cidade sobre duas rodas

A bicicleta tá presente na vida de muitos e muitas de nós – e na quebrada, não é diferente. Desde cedo, aprendemos a pedalar (ou não, né?). Veja a Irene, por exemplo. Ganhou uma bike, não sabe pedalar e foi trocar ideia com a amiga Valéria, que apresentou um universo de possibilidades e cuidados pra ela. Confere só!

Irene & Valéria são duas bonecas abayomi que representam personagens criadas pelo Periferia em Movimento. Depois de um bate-papo sobre saúde sexual e reprodutiva, elas estão de volta!

Elas se encontraram no Lago Azul, no Grajaú, onde neste sábado rola um Rolê de Bike. Confira aqui.

Nem todo mundo deu sorte, né miga? Neymar que o diga!

O Bike Anjo é uma rede de ciclistas que promove, mobiliza e ajuda pessoas a começarem a utilizar esse veículo nas cidades. Quer saber mais? Clique aqui!

Chama nois no [email protected]

Baile da ZR é um popular pancadão que rola no Extremo Sul de São Paulo

Além do Pedala Grajaú, tem grupos diversos pela cidade inteira. Confira esse mapeamento massa

Você lembra disso? Clique aqui e recorde-se desse caso

Isso é verdade. Você confere na série sobre uso da bicicleta que o Periferia em Movimento tá publicando aqui

Todos os dias, falamos de pessoas em movimento aqui nas quebradas

O Bike Zona Sul é um coletivo que promove o uso da bicicleta como modal no dia a dia aqui nas quebradas da Sul. Saiba mais aqui. Além disso, o movimento mais expressivo da cidade é a Massa Crítica, que promove pedais toda semana.

Ciclocidade, Aromeiazero e outras organizações da sociedade civil têm por função pautar as demandas dos ciclistas na cidade de São Paulo. Conheça o trabalho

E na cidade de São Paulo, é importante ficar atento ao Conselho Municipal de Transporte e Trânsito (CMTT) e às Câmaras Temáticas, que são fóruns oficiais de participação social. Além desses, em âmbito estadual foi criado o Ciclo-Comitê Paulista.

Lindíssima, falou tudo!

A Rota Cicloturística Márcia Prado foi criada em 2009 para homenagear a ciclista de mesmo ano, que fez sua última viagem de bike nesse trajeto que liga São Paulo a Santos, passando pelo Grajaú, Ilha do Bororé e Estrada de Manutenção da Rodovia dos Imigrantes. Todo final de ano, cerca de 10 mil ciclistas realizam a rota, que chegou a ser impedida pelo Governo do Estado e pela Ecovias. Mas desde 30 de maio deste ano, uma lei oficializa a rota e determina que o Estado deve dar suporte para a descida oficial à Baixada Santista. Saiba mais sobre isso no site Vá de Bike!

Esta é a última de uma série de reportagens sobre o uso de bicicletas na quebrada realizada pelo Periferia em Movimento com apoio do 1º edital do Fundo de Ações Locais, realizado pela Ciclocidade (Associação de Ciclistas da Cidade de São Paulo) e pelo Instituto Aromeiazero. Uma nova edição do edital está aberta para inscrições. Clique aqui e confira!