#Retrospectiva2017: Ocupar e resistir pelo direito à cidade

#Retrospectiva2017: Ocupar e resistir pelo direito à cidade

Periferia em Movimento

Periferia em Movimento

No ano em que a cidade de São Paulo passou para o comando do “gestor” João Doria, algumas coisas continuaram iguais – ou mudaram para pior

Começamos 2017 com a denúncia do despejo da ocupação por moradia Povo Unido Para Vencer, no antigo Clube Aristocrata, Extremo Sul de São Paulo. Essa foi a primeira de uma série de ocupações populares que aconteceram em 2013, logo após as Jornadas de Junho.


Os moradores do Aristocrata resistiram, foram despejados e voltaram a ocupar o terreno, enquanto na ocupação Jardim da União a organização popular permite o surgimento de iniciativas como uma creche autônoma. Mas o direito à moradia e à cidade estão longe de ser garantidos. Enquanto o governo federal congela verbas para programas de habitação, a Prefeitura sinaliza com o avanço imobiliário para os extremos da cidade – justamente onde iniciativas apontam outras possibilidades de desenvolvimento.

Relembre o que falamos sobre isso:

E assista ao vídeo:

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Com crise climática e inflação na roça, orgânicos ainda atravessam ponte mas não param no prato das periferias

Do combustível ao adubo, alta generalizada dos preços afeta quem produz alimentos orgânicos na zona rural da capital paulista. Para não repassar custos, famílias agricultoras diminuem a já apertada margem de lucro e desaceleram produção que é insuficiente e foi prejudicada pelas chuvas. O acesso da população mais pobre à comida saudável fica ainda mais difícil. Entenda e conheça alternativas!

Apoie!
Skip to content