Bike é Liberdade!

Periferia em Movimento

Periferia em Movimento

Acompanhamos o trajeto de uma ciclista da periferia de casa até o trabalho. Confira o vídeo!

Amélia Rodrigues mora no Jardim Santa Fé, região da Vila Natal, no Grajaú, e três vezes por semana pedala até o trabalho na Chácara Santo Antônio, também na zona Sul. Em parte do trajeto, ela tem ciclovias à disposição, mas ao chegar no Largo do Socorro o caminho tem que ser feito em meio aos carros, ônibus e caminhões.
Nesta videorreportagem de Matheus Oliveira e Thiago Borges, o Periferia em Movimento acompanhou um dia de pedal de Amélia entre casa e o trabalho, suas dificuldades e os benefícios que a bicicleta trouxe para a sua vida. Confira abaixo:

Série de reportagens

A bicicleta tá presente na vida de muitos e muitas de nós – e na quebrada, não é diferente. Desde cedo, aprendemos a pedalar. E o que para uns é apenas lazer ou esporte, para outros é um meio de transporte para os afazeres do dia a dia.
Mostramos em u stopmotion que as leis sobre o uso da bicicleta não são tão recentes. Confira aqui. E em outra reportagem, mostramos as deficiências na infraestrutura para atender ciclistas, com entrevistas, fotos, mapas, infográficos e informações da Prefeitura.
Esta é uma série de reportagens sobre o uso de bicicletas na quebrada realizada pelo Periferia em Movimento com apoio do 1º edital do Fundo de Ações Locais, realizado pela Ciclocidade (Associação de Ciclistas da Cidade de São Paulo) e pelo Instituto Aromeiazero. Uma nova edição do edital está aberta para inscrições. Clique aqui e confira!

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Com crise climática e inflação na roça, orgânicos ainda atravessam ponte mas não param no prato das periferias

Do combustível ao adubo, alta generalizada dos preços afeta quem produz alimentos orgânicos na zona rural da capital paulista. Para não repassar custos, famílias agricultoras diminuem a já apertada margem de lucro e desaceleram produção que é insuficiente e foi prejudicada pelas chuvas. O acesso da população mais pobre à comida saudável fica ainda mais difícil. Entenda e conheça alternativas!

Apoie!
Skip to content