Quem está de fato conseguindo cumprir a quarentena e em que cenário? E quem não teve o isolamento social como opção?

A realidade da pandemia é diferente nas periferias e a desigualdade social, que já era um fato, apenas se agravou neste contexto e reflete de diferentes formas na vida de sujeitos periféricos.

Durante os últimos meses jovens moradoras e moradores das regiões de Poá e do Jardim Miriam se reuniram semanalmente por vídeochamada para o Curso Jovens Comunicadorxs Periféricxs, coordenado e facilitado pela Periferia em Movimento.

O objetivo foi ampliar o olhar sobre o jornalismo feito a partir de seus territórios. E como conclusão dos encontros, a missão era (mesmo à distância) produzirem de forma colaborativa um minidocumentário que trouxesse o consolidado de todo período de troca de saberes.

O projeto foi idealizado pela Uneafro Brasil e recebeu o apoio da Fundação Rosa Luxemburgo.

Confira o resultado:

O caminho até o documentário

Aline Rodrigues, Pedro Ariel Salvador e Thiago Borges, da Periferia em movimento, se revezaram na facilitação das conversas com Joellen, Vitor, Stephany, Gleyson, Gabriel, Bruna, Damares, Julia, Mileni, Julio.

São jovens de 16 a 27 anos que compartilharam seus saberes e vivências durante os aprendizados de técnicas, conceitos, propósitos do fazer jornalístico periférico.

Discussões sobre o que é Jornalismo de Quebrada e como fazê-lo com as ferramentas e conhecimentos que já têm à mão, o que a sua vivência tem para contar, o que é notícia nas periferias e favelas, além de cuidados ao pensar cada linguagem de produção de conteúdo e a importância da escuta em todo o fazer jornalístico foram temas para a discussão durante os encontros e serviram como base para as decisões de caminhos para o documentário.

A cada encontro, os jovens recebiam o desafio de experimentar produzir conteúdos jornalísticos em vídeo, texto, áudio e foto, em sua maioria sem sair de casa.

Eu e a pandemia

Antes de chegarem à proposta central da produção audiovisual, já no primeiro encontro receberam o desafio de produzirem um vídeo com seu próprio depoimento de como tem sido o período de pandemia e os principais desafios enfrentados.

O grupo se aproximou da produção audiovisual a partir de um primeiro passo do Jornalismo de Quebrada, que é o olhar para dentro e se perceber como um indivíduo repleto de histórias, valores, necessidades, sonhos.

Os desafios da maternidade na quarentena, as adaptações na rotina com as necessidades de cuidados extras, os planos de estudo e trabalho adiados, a falta dos amigos e do jogo de futebol, as dificuldades com as aulas à distância, a ansiedade, as dívidas e os dilemas de precisar trabalhar apesar de ter na família pessoas do grupo de risco estiveram presentes nas falas dos jovens.

O convívio com a família foi apontado como uma dificuldade, mas também como uma oportunidade de se conhecerem melhor. Também teve espaço para expressarem um certo otimismo de que tudo irá ficar bem e que percebiam mais tempo para fazerem o que gostam.

A escrita como registro da memória

Já na inscrição, os jovens indicaram seus interesses ao toparem fazer o curso e muitos citaram a possibilidade de contar mais sobre o que rola no território onde mora e circula. No desafio dado para escreverem, puderam falar dessas referências.

No encontro, compartilharam as dificuldades com a escrita e conheceram caminhos até chegar a escolha do melhor conteúdo jornalístico. Definir o que é e o que não é notícia, a importância de se pensar todas as pessoas envolvidas em uma publicação, a diferença do que é interesse do público e interesse público e o compromisso jornalístico com a apuração dos fatos e a escolha das fontes.

Horizontes em imagens

Com a comunicação pensada por meio da imagem, experimentaram registrar seus horizontes, concretos e subjetivos, por fotos a partir de dicas que receberam para a escolha do tema, percepção do olhar e uso dos recursos tecnológicos que têm à mão.

O poder da escuta

Após exercitarem olhar para dentro e para o que tinham para contar, os e as jovens participantes puderam refletir da igual importância de saber ouvir outras histórias e realizaram entrevistas com pessoas próximas para descobrir as motivações de fazerem o que fazem na sua rotina em casa, no trabalho, nos estudos e nas diferentes relações.  

Os cerca de 20 conteúdos em vídeos, textos, áudios e fotos feitos nas atividades propostas foram uma oportunidade para que os jovens passassem a observar ou apurar o olhar sobre si e o território onde moram e circulam.

Também puderam repensar o entendimento de toda a estrutura social que opera e influencia no fazer jornalístico em diferentes realidades. E que fazer jornalismo a partir dos territórios periféricos tem a fundamental contribuição para uma sociedade mais justa de oportunidades ao tornar as pessoas mais conscientes de seus direitos e também reconhecerem sua identidade, trajetória e aprendizados como importantes para o todo.

A dedicação e comprometimento de todo o grupo foi fundamental para a realização do maior desafio que tiveram: a produção final do minidocumentário.

Divididos em diferentes funções, fizeram pesquisa sobre o tema, entrevistas e assumiram a edição e finalização do Quarentena pra Quem? Entre imprevistos e dificuldades dessa construção à distância, encontraram meios de atuarem e realizarem um projeto feito de fato coletivamente.  

Participe da discussão

1 comentário

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ALERTA! Coronavírus e as quebradas

Confira nossa cobertura

Apoie nossa cobertura jornalística

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: