Pela 21º ano seguido, movimentos e organizações fazem caminhada contra violência do Estado Caminhada pela Vida e pela Paz sai de três pontos diferentes na Zona Sul até o Cemitério São Luís - que era o principal destino das vítimas da violência que marcou o Jardim Ângela, Jardim São Luís e Capão Redondo nos anos 1990

Desde 1995, moradores e organizações que atuam no Jardim Ângela promovem no Dia de Finados a Caminhada pela Vida e pela Paz até o Cemitério São Luís, também na Zona Sul para relembrar e denunciar os casos de jovens mortos em decorrência da violência do Estado.

O ato surgiu por iniciativa da Sociedade Santos Mártires em uma época em que essa região foi considerada o “triângulo da morte” de São Paulo pelo alto índice de homicídios. O terceiro maior cemitério da capital paulista era o principal destino das vítimas da violência que marcou o Jardim Ângela, Jardim São Luís e Capão Redondo nos anos 1990.

Com o tema “Periferia muda não muda”, nesta 21ª edição também participam da caminhada o Fórum em Defesa da Vida, o Centro de Direitos Humanos e Educação Popular (Cdhep Campo Limpo), o Comitê Juventude e Resistência, a Ação Cristã para Abolição da Tortura, o MJPOP Sampa Sul, entre outros coletivos e lideranças da região de M’ Boi Mirim e Campo Limpo.

A caminhada começa às 08h da manhã e sai de três pontos diferentes rumo ao Cemitério São Luís, localizado na rua Antonio de Sena, 82, no Jardim São Luís, onde acontecerá uma missa em memória das vítimas de violência. Clique aqui para mais informações.

Locais de concentração

  • Jardim Ângela: Paróquia Santos Mártires – Rua Luís Baldinato, 09
  • Capão Redondo: CDHEP Campo Limpo – Rua Doutor Luís da Fonseca Galvão, 180 – próximo ao Metrô Capão Redondo
  • Jardim São Luís: CEU Casa Blanca – Rua João Damasceno, 85