#NossoBonde: “As crianças e jovens vão romper as barreiras das pontes”

#NossoBonde: “As crianças e jovens vão romper as barreiras das pontes”

Thiago Borges

Thiago Borges

Para Dona Eda Luiz, a busca por direitos nas periferias se fortaleceu nos últimos 10 anos. E o CIEJA Campo Limpo, escola pública que ela dirigiu por 20 anos e se tornou modelo de educação, é parte fundamental nesse processo. Extremamente otimista, como ela própria se define, ela acredita na construção de uma cidade mais humana e solidária daqui pra frente

Foto de capa: reprodução do Blog Mulherias

Tá na boca da população, da mídia, dos especialistas, dos políticos: a educação garante nosso futuro enquanto sociedade. Mas quem tá olhando pra educação, de fato?

Pois uma escola pública na periferia da zona Sul de São Paulo virou referência nacional com seu modelo inclusivo: o Centro de Integração de Educação de Jovens e Adultos – CIEJA Campo Limpo. Durante 20 anos, uma pessoa esteve à frente desse projeto: Dona Eda Luiz.

Dona Eda faz parte do #NossoBonde, série que a Periferia em Movimento publica todas as segundas-feiras de 2019. Confira aqui. Neste ano em que completamos uma década de jornalismo de quebrada, convidamos moradoras e moradores das quebradas que nos ajudaram a refletir sobre a realidade na perspectiva periférica ao longo desse período – e, também, pra saber como imaginam os próximos 10 anos.

Entrevista no CIEJA Campo Limpo, em 2017

Hoje com 71 anos, essa educadora aposentada tem 52 anos de trabalho em escolas públicas. No CIEJA Campo Limpo, criou uma escola aberta para receber jovens e adultos que não concluíram o ensino no tempo regular. Os estudantes são divididos pelo nível de conhecimento (alfabetização, pós-alfabetização, intermediário e final), com turmas em diferentes horários e flexibilidade para que frequentem a aula no período mais adequado.

As disciplinas foram divididas por áreas de conhecimento, como Ciências do Pensamento (Ciências e Filosofia), Ciências Humanas (História e Geografia), Ensaios Lógicos e Artísticos (Matemática e Artes).

O sucesso do CIEJA Campo Limpo rendeu à unidade o reconhecimento como Escola de Educação Transformadora para o Século 21, concedido em 2017 pela UNESCO. Hoje, são mais 1.200 alunos, sendo que mais de 200 tem alguma necessidade especial, como ensino em braile ou Libras. Em 2017, a Periferia em Movimento ouviu algumas das pessoas atendidas na escola. Confira aqui.

Nos últimos 10 anos, Dona Eda viu muitas mudanças acontecerem nas quebradas. Por outro lado, ela percebe que permanecem a violência policial, o medo, o julgamento de sujeitos periféricos, a falta de visão do poder público. “Tudo isso faz com que o povo periférico precise lutar mais”, ressalta.

“Muitos movimentos surgiram para defender direitos, tem uma maior conscientização de pessoas interagindo com outros seres humanos. Muita arte. Menos violência armada”

Dona Eda Luiz, 71 anos, moradora da Zona Sul de São Paulo

Atualmente, ela coordena o Projeto Jovens, com a proposta de retirar jovens que trabalham em semáforos e recolocá-los em escolas, com uma formação para ressignificar a própria vida. Também participa de movimentos de valorização das escolas, da inclusão, da vida. Extremamente otimista, como a própria se define, daqui a 10 anos ela crê que “as crianças e jovens irão romper as barreiras das pontes e estaremos numa cidade mais humana e solidária”. Também acreditamos nisso, Dona Eda.

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

1 mês de aulas presenciais: Novas dificuldades se somam a problemas pré-pandemia, denuncia coletivo de educação da periferia

Infraestrutura precarizada, salas lotadas e falta de pessoal suficiente para trabalhar já eram problemas vividos no dia a dia da escola pública antes da pandemia de coronavírus. E com a volta às aulas totalmente presenciais, em fevereiro, o desafio ganhou uma nova camada de dificuldades com a necessidade de readaptação de estudantes, a defasagem na aprendizagem e os cuidados extras pra evitar a contaminação

Apoie!
Skip to content