“Fim da tranca”: Projeto apoia pessoas egressas do sistema prisional

“Fim da tranca”: Projeto apoia pessoas egressas do sistema prisional

Periferia em Movimento

Periferia em Movimento

Iniciativa da Rede de Proteção e Resistência ao Genocídio pretende apoiar acesso a direitos e reinserção social. Saiba como participar!

Foto em destaque: Agência Brasil

O Brasil tem mais de 750 mil pessoas em privação de liberdade. Depois de passar pelo cárcere, a retomada da vida em comunidade não é tão simples. Por isso, a Rede de Proteção e Resistência contra o Genocídio apresenta o projeto “Fim da Tranca: a voz do egresso”.

O projeto é voltado principalmente a pessoas que vivem nos territórios de atuação da Rede na Grande São Paulo: Mauá, Jaraguá, Taipas, Butantã, Capão Redondo, Jardim Ângela, Campo Limpo ou São Mateus. Para participar, é necessário preencher o formulário clicando aqui.

O objetivo é apoiar pessoas egressas no acesso a políticas públicas de garantia de direitos fundamentais e direitos específicos à situação de quem deixou o sistema prisional. Dessa forma, o projeto visa a inserção na vida familiar e comunitária, a inclusão nos sistemas de educação formal e na formação para o trabalho, além da busca por emprego ou geração de renda.

A iniciativa também quer aplicar formações em direitos humanos e engajamento político dessas pessoas, para que elas se tornem agentes em atuação contra o ciclo de reencarceramento em seus territórios.

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

2 Comentários

  1. Ana Maria dos Santos disse:

    Muito legal essa iniciativa. Conheço um rapaz que passou pelo sistema prisional e tem dificuldade de conseguir emprego. É um cara muito legal que conheço desde criança quando atuei em abrigo de crianças.
    Vou passar pra ele.
    Vou também fazer uma pequena doação.
    Obrigada

  2. […] manhã de segunda-feira (21/2), um grupo de integrantes da Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio ocupou o edifício onde funciona Ouvidoria da Polícia paulista, no centro da […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Apoie!
Skip to content