Reportagem de Fernanda Souza*. Captação e edição de vídeo: Vitori Jumapili

Edição de áudio por Paulo Cruz. Design por Rafael Cristiano. Orientação de reportagem: Gisele Brito. Revisão: Thiago Borges

Já parou para se perguntar se MC também quer viver de sua arte? Já parou para pensar que o funk é manifestação artística, que existem indivíduos produzindo, criando e tocando outras mentes? Será que é só por dinheiro? Como é o processo de escrita, o jogo com as palavras, suas referências e como começou? E se a gente te perguntar: Pode MC de funk ser artista? 

Ao contrário das pautas que exploram as histórias de MCs e suas trajetórias de ascensão social, nesta reportagem procuramos ir além do senso comum. Tá pronte para isso? Marcha!

*Fernanda Souza faz parte do “Repórter da Quebrada – Uma morada jornalística de experimentações”, programa de residência em jornalismo da quebrada realizado pela Periferia em Movimento por meio da política pública Fomento à Cultura da Periferia de São Paulo

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CAIU TUDO POR AÍ?

Siga a gente no Twitter!

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: