Quebra das Ideias: Como sair da política de morte para uma política de vida?

Quebra das Ideias: Como sair da política de morte para uma política de vida?

Periferia em Movimento

Periferia em Movimento

Neste dia da Consciência Negra (20/11), relembramos o tema da segunda edição do programa Quebra das Ideias, em que a Periferia em Movimento abordou a “necropolítica” - quando governantes adotam como prática de Estado matar diretamente ou deixar morrer grupos considerados “indesejáveis”: o povo negro, os povos indígenas, das periferias, a população LGBT.

Neste dia da Consciência Negra (20/11), relembramos o tema da segunda edição do programa Quebra das Ideias, em que a Periferia em Movimento abordou a “necropolítica” – quando governantes adotam como prática de Estado matar diretamente ou deixar morrer grupos considerados “indesejáveis”: o povo negro, os povos indígenas, das periferias, a população LGBT.

“A primeira coisa que você pensa quando acorda não é na sua vida, mas como você vai sobreviver”, resumiu Elaine Mineiro, mãe, arte-educadora e articuladora cultural. Em sua fala, Elaine lembrou do Mapa da Desigualdade 2019, que aponta que a idade média ao morrer em Cidade Tiradentes é 22 anos menor que nos bairros ricos: 58 anos no primeiro, 80 no segundo.

“Essa política não só pensa na morte, mas como essa morte vai se dar, pensando que a necropolítica é uma estratégia racista para povos racializados (…), desde a infância até hoje quando encontramos a política”, apontou o educador Will Ferreira, 30 anos, homem preto e LGBTQ+ que mora em Parelheiros (Extremo Sul de São Paulo). “Quando a gente fala de necropolítica, falamos de um racismo que tá pulverizado, no ar”, continuou.

O reflexo mais visível dessa política é a estatística que aponta que a cada 4 pessoas assassinadas no Brasil em 2017, 3 eram negras; e entre 2007 e 2017, a taxa de homicídio de negros cresceu 33,1%, enquanto a taxa de assassinatos de não-negros aumentou 3,3%, segundo o Atlas da Violência. Além disso, o País tem a terceira maior população carcerária do mundo – 812 mil presos, sendo que 65% são negros.

As possíveis saídas também foram apontadas na entrevista: do território ao poder político. No caso do Will, ele atua com crianças, adolescentes e jovens periféricos, discutindo identidades, gênero, sexualidade e o enfrentamento à violência comunitária urbana. Fundou o grupo Juventude Politizada de Parelheiros, integra o coletivo Rusha Montscho e trabalha como educador social do projeto RUAS no Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente – CEDECA Interlagos.

Já Elaine, além de coordenar a rede de cursinhos populares Uneafro Brasil e no Samba das Pretas, atua na Coalizão Negra por Direitos, no grupo Samba das Pretas da Cidade Tiradentes e na Comunidade do Jongo dos Guaianás.

Assista na íntegra ao programa transmitido dia 06/11/2019:

O programa Quebra das Ideias acontece por meio do patrocínio do Programa VAI da Secretaria Municipal de Cultura da Prefeitura de São Paulo. Apresentação: Aline Rodrigues. Produção: Thiago Borges e Laís Diogo. Audiovisual: Pedro Ariel Salvador e Paulo Cruz. Articulação: Wilson Oliveira.

Próximo programa

Como seria uma sociedade sem racismo? Você já parou pra pensar sobre isso?

No País em que as diferenças raciais atravessam classe e gênero (e colocam brancos em situação de privilégio em relação a negros e indígenas), a Periferia em Movimento vai discutir como chegar à equidade.

Nesta quinta-feira (21/11), às 15:30, acompanhe e participe do programa Quebra das Ideias! Clique aqui pra assistir.

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

2 Comentários

  1. […] vista desse cenário de terror que compactua com a necropolítica velada do governo federal, se faz necessário resistência e organização, e por isso temos saído […]

  2. […] Elaine Mineiro (integrante da Uneafro Brasil, da Coalizão Negra por Direitos e moradora da Cidade Tiradentes); […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Apoie!
Skip to content