Na pandemia, pequenos negócios são uma alternativa para mulheres periféricas

Na pandemia, pequenos negócios são uma alternativa para mulheres periféricas

Periferia em Movimento

Periferia em Movimento

O número de mulheres que começaram a empreender cresceu 40% durante a pandemia, segundo estudo. Mas o dado não é tão animador quanto parece

Colaboração de Gustavo Souza

Imagem de capa: Montagem de Rafael Cristiano com fotos de arquivo pessoal

Necessidade ou oportunidade? O número de mulheres que começaram a empreender cresceu 40% durante a pandemia, segundo levantamento divulgado no final do ano passado pela Rede Mulher Empreendedora. Mas o dado não é tão animador quanto parece. Muitas dessas pessoas viram a abertura do “negócio próprio” como alternativa para seguir pagando as contas em meio à crise econômica.

É o caso de Stephany Miranda, uma jovem de 20 anos que mora no Extremo Sul de São Paulo. Sem conseguir trabalho, em novembro do ano passado ela começou a vender semi-joias e maquiagens no perfil do instagram. Para vender as maquiagens, Stephany grava vídeos e posta em suas redes sociais. Já as semi-joias ela fabrica em casa sob encomenda.

“A principal dificuldade tem sido a captura de clientes e gestão dos gastos e lucros, pois o faturamento tem sido baixo”, diz ela, que apostou nos produtos por já alimentar um gosto pessoal. “Sempre peço conselhos dos meus pais e pessoas que já estão nesse ramo a algum tempo, junto tudo o que me aconselharam e tomo minhas decisões”

Desafio

A situação também não tem sido fácil para mulheres que já tocavam um negócio antes da pandemia, como é o caso de Aurea Xavier, de 50 anos, que começou vendendo roupas em 2000 para gerar renda. 

“Eu não tinha planos, foi uma coisa que apareceu”, lembra a comerciante que tem 3 filhos e mora no Campo Limpo (zona Sul de São Paulo). “Com o tempo, a loja foi crescendo e comecei a vender móveis também”, continua.

A dupla jornada e o equilíbrio entre as questões de casa e do trabalho também pesam, numa realidade em que o percentual de lares brasileiros chefiados passou de 25% para 45% entre 1995 e 2018, segundo o (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).“É o tempo todo chamando por Deus. Problemas sempre iremos ter, mas não podemos abaixar a cabeça e deixar que isso pare nossas vidas. É preciso orar muito e se dedicar muito”.

Mesmo com a pandemia, Aurea manteve a loja aberta por ser sua principal fonte de renda. Colocou álcool em gel na entrada, controlou o acesso de pessoas para garantir o uso da máscara e diminuiu o horário de atendimento, conforme os protocolos sanitários. Ainda assim, ela foi uma das muitas pessoas que perderam um membro da família no último ano. 

“Perdi um irmão nessa pandemia. Os desafios são a insegurança de não conseguir pagar o aluguel e manter nossa saúde. A gente nunca sabe o que pode acontecer, mas Deus é bom”, confia.

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Com crise climática e inflação na roça, orgânicos ainda atravessam ponte mas não param no prato das periferias

Do combustível ao adubo, alta generalizada dos preços afeta quem produz alimentos orgânicos na zona rural da capital paulista. Para não repassar custos, famílias agricultoras diminuem a já apertada margem de lucro e desaceleram produção que é insuficiente e foi prejudicada pelas chuvas. O acesso da população mais pobre à comida saudável fica ainda mais difícil. Entenda e conheça alternativas!

Apoie!
Skip to content