“Intersecções”: Exposição traz encontros de pessoas negras, indígenas e periféricas como base da cultura de SP

“Intersecções”: Exposição traz encontros de pessoas negras, indígenas e periféricas como base da cultura de SP

Com inauguração no aniversário de São Paulo, mostra traz pinturas inéditas de Sidney Amaral, elementos naturais da Aldeia Kalipety da Terra Indígena Tenondé Porã e os fluxos de Heliópolis e Paraisópolis, entre mais de 300 itens

Compartilhe!

Foto em destaque: Jerá Guarani na aldeia Kalipety / por Pedro Salvador

Nesta terça-feita (25/1), data em que São Paulo completa 469 anos, o Museu da Cidade abre a exposição “Intersecções: Negros (as) indígenas e periféricos(as) na Cidade de São Paulo”. A mostra reúne mais de 300 objetos entre fotografias, pinturas, vídeos, instrumentos musicais e figurinos de diversas linguagens artísticas produzidos por mais de 100 artistas da capital nos últimos 40 anos.

A abertura da exposição contará com a apresentação do Coral Kalipety, formado por integrantes da Aldeia Kalipety da Terra Indígena Tenondé Porã, localizada no Extremo Sul de São Paulo. As primeiras 200 pessoas visitantes vão receber um colar consagrado pelo pajé da aldeia com a água da cachoeira Capivari. A Periferia em Movimento participa da exposição com a produção das fotos e de um vídeo sobre a comunidade guarani.

A entrada é gratuita e a estreia acontece das 14h às 16h. Depois a mostra segue aberta ao público até 28 de julho, de terça a domingo, das 9 às 16h. O Museu da Cidade funciona no Solar da Marquesa de Santos e na Casa da Imagem, na rua Roberto Simonsen, 136 e 136B – Centro Histórico.

A exposição tem conceituação e curadoria da empresária Adriana Barbosa, criadora da Feira Preta; do jornalista Nabor Jr., criador da revista O Menelick; e do historiador Eleilson Leite, coordenador cultural da organização Ação Educativa. E contou ainda com a colaboração com a líder indígena Jera Guarani.

Territórios, Sujeitos e Imaginários

Setorizada em 3 eixos que convergem entre si, a exposição apresenta relevantes movimentos artísticos e culturais que contribuíram não somente para fomentar as narrativas negras, indígenas e periféricas na cidade nos últimos 40 anos, como também foram fundamentais para a construção do que entendemos como cultura paulistana nos dias de hoje.

“Essa exposição parte de um pensamento decolonial, se hoje a gente tem um processo crítico em relação à produção intelectual e cultural, se deve a esses movimentos que ajudaram a construir esse campo de arte-ativismo que temos hoje. O Brasil é negro por um processo de autodeclaração, que vem a partir do momento em que nos conectamos com Os Racionais, com a Cia dos Crespos, além do reconhecimento da periferia como um local de produção de cultura. Com isso, essa exposição vai proporcionar ao público imergir numa contação de histórias sobre quem se é quanto indivíduos negros, periféricos e indígenas”, destaca Adriana Barbosa.

Foto: Noelia Nejera

Lúdica, sensorial e educativa, a exposição irá proporcionar aos visitantes revisitar memórias e reconhecer o processo de formação de identidades e movimentos culturais a partir destes três eixos que irão aludir ‘Territórios’ como o quilombo urbano Aparelha Luzia, o Museu Afro Brasil, o Centro Cultural Quilombaque, a Festa de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos da Penha de França, a Feira Preta, o Festival BixaNagô e rodas de samba como o Pagode da 27 e o Samba da Vela.

No eixo ‘Sujeitos’, o destaque fica por conta dos vídeos da equipe de baile Black Mad e Zezão Eventos, assim como para os populares fluxos que ocorrem nas comunidades de Heliópolis e Paraisópolis. Em ‘Imaginários’, a reflexão em torno da popularização da expressão “da ponte pra cá” e do tradicional “futebol de várzea”, pois embora geograficamente não existam várzeas na cidade, também se tornou um termo comum para falar sobre o futebol amador que ocorre nas periferias. Dividir esse grande arcabouço em ‘territórios, sujeitos e imaginários’ foi a forma encontrada pelos curadores de possibilitar a compreensão sobre os espaços, pessoas e simbologias que narram essas tantas histórias interseccionadas pela exposição.

“Essa exposição, busca, a partir dos pontos em comum que unem pessoas tão diversas, iluminar acontecimentos, artistas e movimentos culturais protagonizados por negros, indígenas e periféricos, que formam o suco da vida cultural da cidade. Não dá para pensar a vida cultural de São Paulo sem o rap, o pagode, o fluxo, a literatura de quebrada, o grafitti, a moda forjada pela juventude preta. Enfim, tentamos construir um panorama dessas produções que, se para muitos é desconhecida, para muitos outros foram responsáveis pela construção de suas identidades e sentido de pertencimento em uma cidade tão grande e por vezes solitária”, explica Nabor Jr.

Realidades em retratos inéditos

Em formato imersivo e cronológico, a exposição teve o cuidado de conectar de forma simétrica os conceitos de negritude, periférico e indígena, sem sobrepor uns aos outros, compreendendo essas zonas de cruzamento e horizontalidade. Mas sobretudo, um de seus principais desafios foi o de conseguir condensar tanta história a ser narrada ao ponto de construir uma programação que pudesse abranger toda a urbanidade paulistana desses últimos 40 anos.

Por outro lado, além de trazer destaques conhecidos pelo público, a exposição também proporcionará o contato com obras e experiências inéditas, e até mesmo impossíveis de serem reproduzidas por pessoas de fora de determinados contextos sociais, como os famosos fluxos, ou seja, os bailes que acontecem nas favelas.

“Jovens de Paraisópolis e Heliópolis foram contratados como fotógrafos e videomakers para retratar elementos importantes das realidades locais, como um fluxo ao vivo. Para se adentrar a um fluxo precisa de fato pertencer àquela comunidade, não teríamos conseguido registros audiovisuais de um baile sem sujeitos que fazem parte de lá, e tivessem esse endosso para fazer uma cobertura audiovisual dessa realidade tão rica e própria das periferias”, relata o curador Eleilson Leite.

Além dos registros dos fluxos, a exposição também irá proporcionar um ambiente cenográfico do Sarau Elo da Corrente (foto ao lado), a partir de uma foto-mural do sarau, e do som ambiente que gravado no próprio evento, possibilitará essa vivência como se os visitantes estivessem nele de verdade.

Situar o público de que o povo indígena está às margens da cidade, e por isso também compõe sua periferia, vai possibilitar o acesso a conhecimentos como o fato de que somente no município de São Paulo existem mais de 20 aldeias, e inclusive uma cachoeira.

No núcleo indígena, também vai ocorrer a reprodução de uma casa de rezas, com áudios gravados da aldeia guarani Tekoa Kalipety. E até mesmo proporcionar o contato visual com elementos naturais da aldeia, como a água da cachoeira Capivari da terra Tenondé, que é a única e última com água limpa dentro do município de São Paulo.

Outras experiências inéditas serão a exibição de duas pinturas do artista plástico Sidney Amaral, além de um estandarte do bloco Ilu Inã, de autoria de Dona Jacira. E ao longo do processo, a exposição vai ter uma série de eventos, como oficinas e debates.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe:

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Comente usando o facebook

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

Confira também

Posts relacionados

Apoie!
Pular para o conteúdo