Hamburguerias se espalham nas quebradas e viram alternativa de renda na pandemia

Hamburguerias se espalham nas quebradas e viram alternativa de renda na pandemia

Periferia em Movimento

Periferia em Movimento

Vai um "Belmira Marin" ou um "Dom Corleone"? Com identidades e sabores únicos, negócios são tema da 3ª reportagem da série Fortalece Quebrada

Por Julia Vitoria

Fotos: Divulgação

Sabe aquele lanchão dos sonhos? Pão artesanal, hambúrguer de costela com 150 gramas, queijo prato, bacon, anéis de cebola ou cebola caramelizada, alface americano, tomate e molho verde…

Existe e, no Grajaú (Extremo Sul de São Paulo), leva o nome de Belmira Marin – uma referência à avenida que corta o distrito mais populoso da cidade e é famosa entre a população pelo trânsito caótico. O lanche tá no cardápio da hamburgueria D’Favela. 

Lanche D’Favela, que leva o nome da casa

“Esse nome surgiu pela vontade de realmente estar envolvido com a comunidade, de mostrar que a raiz da favela também pode chegar lá, entende?”, explica Anderson Diego Santana de Macedo, 31, dono do negócio. 

Além da homenagem à Belmira, outros lanches foram batizados com nomes de quebradas da região. É o caso do 27, em referência à rua famosa pelo Pagode que acontece há 15 anos; ou o Buracanã, como é popularmente conhecido o bairro do Parque Planalto e que tem pão artesanal, 150 gramas de carne, queijo prato, barbecue e molho verde. 

Essas hamburguerias cheias de identidade e sabores únicos têm se espalhado pelas quebradas. E, com a crise econômica intensificada pela pandemia de coronavírus, também se mostram uma alternativa para geração de renda. Nesta reportagem, além da D’Favela, também apresentamos O Poderoso Chefão e Os Suculentu’s.

Esta é a 3ª matéria da série Fortalece Quebrada, um projeto da Periferia em Movimento e da agência de comunicação Bora Lá para destacar empreendimentos criados por moradoras e moradores das periferias de São Paulo.

Orgulho da comunidade

Fundado em 2018, o D’Favela já conquistou espaço na vizinhança e acumula mais de 5 mil seguidores no instagram, além de vários elogios nas postagens. O lanche que leva o nome da casa vem com 2 hambúrgueres de 150 gramas, queijo cheddar, bacon, picles, ovo, cebola caramelizada, alface americano, tomate e molho verde. Há também porções de batata com cheddar e bacon. 

D’Favela, hamburgueria localizada no Grajaú

Atualmente a hamburgueria está atendendo somente por delivery. Essa foi a forma que Diego encontrou para manter os funcionários e pagar o aluguel. “Estamos acreditando muito no futuro da nossa casa. Estamos vindo com o espaço novo para um melhor atendimento dos nossos clientes. Também estamos trabalhando na nossa segunda cozinha para aumentar nosso faturamento”, diz Diego. 

O empreendedor quer mostrar o orgulho de seu território na D’Favela. “Mais pra frente, com muita fé em Deus, iremos entrar em ações sociais pela nossa quebrada”, conta ele.

Como funciona? | Peça de terça-feira a domingo, das 17h30 à 1h30 Os pedidos devem ser feitos pelo instagram (clique aqui) ou telefone (11 95938-4344). Aceita Dinheiro, cartão de crédito e débito

Padrinho da cozinha

Em outra ponta do Extremo Sul, no Jardim Vera Cruz, Ricardo Luiz de Andrade Gonçalves se inspirou em um clássico do cinema para fundar O Poderoso Chefão. 

Aberta em setembro de 2019, a hamburgueria homenageia os personagens do famoso filme em seu cardápio:

  • O 100_Poderoso é feito com pão de brioche, hambúrguer artesanal de 120 gramas, maionese do Chefão, alface americano, tomate, azeitona preta e bacon
  • Já o 300_Corleone leva pão tipo sweet honey, hambúrguer de 120 gramas, queijo cheddar, doritos e cebola caramelizada
  • Também há os lanches 500_Sony e 600_Don Ryan, entre 9 opções existentes

“Minhas expectativas para o futuro são crescer e meu negócio gerar emprego”, aponta Ricardo.

Como funciona? | Peça de segunda a sexta-feira, das 18h à meia-noite. Os pedidos devem ser feitos pelo instagram (clique aqui) ou telefone (11 92004-1551) e também pode ser retirados no local (Rua Ângelo Tarchi, 175). Aceita Dinheiro, cartão de crédito e débito e QR Code.

Inspiração caseira

Com apenas 22 anos, Mariane Lopes começou em setembro deste ano o Suculentu’s Burguer. Localizado no Jardim Castro Alves (distrito do Grajaú), o negócio é a realização do sonho de ter algo próprio.

“A pandemia no início assustou porque quem estava pensando em começar um empreendimento não contava com a crise no País”, explica Mariane. “Porém ajudou também, já que com a quarentena as pessoas todos os dias querem algo diferente, gostoso e que fosse até a casa delas. Isso ajudou a abertura do meu negócio”, continua.  

Mariane Lopes, fundadora da Suculentu’s

Antes de montar a Suculentu’s, Mariane já trabalhava em restaurantes. E apesar de pensar em empreender, ela não imaginava que seria uma hamburgueria. A inspiração veio de dentro de casa.

“Nós da família temos o hábito de nos reunir em volta da mesa. Em uma ‘noite do hambúrguer’, os familiares começaram a me incentivar a abrir algo nessa área, já que sempre trabalhei em fastfood”, conta ela. 

Com o nome de Canadá, o carro-chefe do cardápio vem no pão de brioche, maionese de bacon, molho barbecue, cebolas empanadas, picles, cheddar, mussarela e hambúrguer da casa, feito no dia com carnes frescas. Já o Amsterdã vem no pão australiano, com maionese da casa, cebola, couve frita, requeijão empanado, cheddar e também hambúrguer da casa. Além dos lanches individuais, Mariane faz combos com batatas fritas e refri.

Atualmente, a Suculentu’s opera apenas com delivery com algumas opções. Mas a fundadora já vislumbra a expansão tanto do cardápio quanto do acesso da clientela. 

Como funciona? | Peça de terça-feira a domingo, das 16h à meia-noite, pelo ifood, instagram (clique aqui) ou telefone (11 94004-6094). Aceita Dinheiro, cartão de crédito e débito, vale-refeição, vale-alimentação e transferências bancárias.

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Com crise climática e inflação na roça, orgânicos ainda atravessam ponte mas não param no prato das periferias

Do combustível ao adubo, alta generalizada dos preços afeta quem produz alimentos orgânicos na zona rural da capital paulista. Para não repassar custos, famílias agricultoras diminuem a já apertada margem de lucro e desaceleram produção que é insuficiente e foi prejudicada pelas chuvas. O acesso da população mais pobre à comida saudável fica ainda mais difícil. Entenda e conheça alternativas!

Apoie!
Skip to content