Quem são os fazedores de cultura do Extremo Sul de São Paulo? O que pensam os artistas da ponta de cá da cidade? Como este território, onde a mancha urbana encontra mananciais e áreas de preservação, influencia na produção artística desses grupos?

Para responder a essas e outras perguntas, em 2015 nós da Periferia em Movimento realizamos o projeto  “Cultura ao Extremo”,  um extenso mapeamento da produção cultural do Extremo Sul de São Paulo.

Foram identificados cerca de 168 agentes culturais – entre artistas, coletivos e espaços de articulação – na região compreendida pelos distritos de Cidade Dutra, Grajaú, Marsilac, Parelheiros e Socorro. A pesquisa aponta que a falta de recursos financeiros é o principal empecilho à manutenção dos projetos. Mais da metade dos coletivos que responderam a pesquisa, por exemplo, não tem fomento público. Confira os resultados aqui.

Ao longo de 2015, nos debruçamos sobre o trabalho dos fazedores de cultura e, por meio de reportagens, dar visibilidade às conquistas e lutas cotidianas para garantir o acesso à cultura. Clique aqui para ler as reportagens.

Inicialmente, o projeto Cultura ao Extremo contou com apoio do Agente Comunitário de Cultura, um programa da Secretaria Municipal de Cultura da Prefeitura de São Paulo.

Responda o questionário abaixo e participe!

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ALERTA! Coronavírus e as quebradas

Confira nossa cobertura

Apoie nossa cobertura jornalística

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: