Crianças de terreiro: Religiões de matriz africana celebram energia infantil de erês

Crianças de terreiro: Religiões de matriz africana celebram energia infantil de erês

Entre setembro e outubro, a Periferia em Movimento acompanhou casas de umbanda e candomblé nas periferias de São Paulo que mantêm a tradição de celebrar a infância com ritos, brincadeiras e distribuição de doces. Confira a reportagem fotográfica!

Compartilhe!

Reportagem de Thiago Borges, com fotos de Vitori Jumapili e Pedro Salvador. Arte: Rafael Cristiano

Distribuir saquinhos de balas ou servir caruru para 7 crianças. As cenas estão no imaginário coletivo brasileiro e festejam os erês, que se apresentam com a pureza e a leveza infantis.

Muito associado aos santos católicos Cosme e Damião, celebrados no final de setembro, o costume tá relacionado ao sincretismo religioso herdado desde os períodos da colonização portuguesa – quando pessoas africanas escravizadas precisavam se referir a orixás como santidades cristãs para manter suas práticas religiosas. 

“É uma comemoração aos erês, dessa energia infantil, dessa pureza de sentimento que vem das crianças, sem pensar em nenhuma maldade, sem lembrar da sociedade de consumo (…) O erê é a energia infantil. O primeiro transe é do erê” – Tata Katulemburange

Conhecido como Katu, ele é sacerdote do Asé Ylê do Hozoouane, terreiro de candomblé localizado no Jardim Santa Fé, em Parelheiros (Extremo Sul de São Paulo), que anualmente faz o caruru de vunji e a chuva de balas.

Clique nas imagens para ampliar:

Gira de Cosme e Damião

Na Casa de Caridade Cabocla Yara de Oxóssi, terreiro de umbanda na Chácara do Conde (Grajaú, Extremo Sul paulistano), a festa que acontece na última semana de setembro começa a ser preparada um mês antes. Para a Iyá Elis de Iemanjá, além de consolidar a crença entre crianças e famílias, a festa tem um caráter social.

“Muitas vezes, os pais não têm condições de comprar um doce ou uma brincadeira, então a gente acaba dando esse respaldo” – Iyá Elis de Iemanjá

Clique nas imagens para ampliar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe:

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Comente usando o facebook

Reportagem de Thiago Borges, com fotos de Vitori Jumapili e Pedro Salvador. Arte: Rafael Cristiano

Distribuir saquinhos de balas ou servir caruru para 7 crianças. As cenas estão no imaginário coletivo brasileiro e festejam os erês, que se apresentam com a pureza e a leveza infantis.

Muito associado aos santos católicos Cosme e Damião, celebrados no final de setembro, o costume tá relacionado ao sincretismo religioso herdado desde os períodos da colonização portuguesa – quando pessoas africanas escravizadas precisavam se referir a orixás como santidades cristãs para manter suas práticas religiosas. 

“É uma comemoração aos erês, dessa energia infantil, dessa pureza de sentimento que vem das crianças, sem pensar em nenhuma maldade, sem lembrar da sociedade de consumo (…) O erê é a energia infantil. O primeiro transe é do erê” – Tata Katulemburange

Conhecido como Katu, ele é sacerdote do Asé Ylê do Hozoouane, terreiro de candomblé localizado no Jardim Santa Fé, em Parelheiros (Extremo Sul de São Paulo), que anualmente faz o caruru de vunji e a chuva de balas.

Clique nas imagens para ampliar:

Gira de Cosme e Damião

Na Casa de Caridade Cabocla Yara de Oxóssi, terreiro de umbanda na Chácara do Conde (Grajaú, Extremo Sul paulistano), a festa que acontece na última semana de setembro começa a ser preparada um mês antes. Para a Iyá Elis de Iemanjá, além de consolidar a crença entre crianças e famílias, a festa tem um caráter social.

“Muitas vezes, os pais não têm condições de comprar um doce ou uma brincadeira, então a gente acaba dando esse respaldo” – Iyá Elis de Iemanjá

Clique nas imagens para ampliar:

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

Confira também

Posts relacionados

Apoie!
Pular para o conteúdo