Billings: o que acontece quando a gente se apropria da represa?

Billings: o que acontece quando a gente se apropria da represa?

Thiago Borges

Thiago Borges

Esporte, cultura e educação: no Grajaú, projetos aproximam mananciais e população que vivem às margens do maior reservatório de água em área urbana do mundo

Texto por Thiago Borges, com captação de fotos e vídeos por João Pedro Matos Lima, Laís Diogo, Matheus Oliveira e Paolo César Vieira, durante cobertura colaborativa realizada em oficina de jornalismo realizada pelo Periferia em Movimento na Virada Sustentável 2016 – Extremo Sul

Franz Thomas de Oliveira Souza tem 21 anos. E, desde que nasceu, dá de cara com a represa Billings na porta de casa. Mas nem sempre ela esteve ali.

Construída em 1925 para gerar energia e depois utilizada para abastecer as torneiras da região metropolitana, a Billings é o maior reservatório de água em área urbana do mundo, mas já não cumpre sua função principal. Hoje, em torno de um milhão de pessoas moram em suas margens, considerando a Zona Sul de São Paulo e os municípios do ABC Paulista.

A especulação imobiliária que expulsou moradores das regiões centrais somada à chegada de milhares de migrantes em busca de emprego e casa barata pra morar e a falta de estrutura oferecida pelo poder público transformou as diversas penínsulas da Billings em bairros. Um deles é o Jardim Gaivotas, onde vive Thomas.

“Todo morador que vem para os extremos busca um refúgio dos aluguéis caros do centro da cidade. Aos trancos e barracos, vão construindo suas casinhas em volta da represa, de forma inconsciente e sem o mínimo de apoio e orientação”, observa ele, que cresceu participando de mutirões de limpeza nas bordas do reservatório.

01092016_ Vivências náuticas_ oficina jornalismo virada sustentávelPara Adolfo “Ferruge” Souza Duarte (na foto ao lado), que está na região desde 1990, a questão da moradia precária e o fato de muitos habitantes passarem a maior parte do dia fora do bairro – seja trabalhando, estudando ou em outros afazeres – acabam afastando a população do manancial. Além disso, pelo histórico de ocupação local motivado pela necessidade de um teto, alguns sentem até vergonha de morar nas margens.

Para resgatar a identidade cultural local, tanto Ferruge quanto Thomas estão engajados em projetos náuticos que focam na apropriação da represa e no reconhecimento da cidade pelos moradores a partir das águas da Billings.

Em 2014, Ferruge fundou o espaço Meninos da Billings no Parque Residencial dos Lagos, bem ao lado do Parque Linear Cantinho do Céu. Desde o ano passado, o local tem atividade do projeto Remada na Quebrada, com aulas de canoagem e reforço escolar em matemática, física, história e sociologia. “Queremos desenvolver a educação por meio da náutica”, diz ele.

 No Jardim Gaivotas, Thomas associou sua experiência da extinta ONG Vento em Popa – que trabalhava no desenvolvimento social de comunidades empobrecidas por meio da vela – com a linguagem onipresente do graffiti no projeto Navegando nas Artes, com objetivo de causar impacto positivo na relação entre a população e o meio ambiente.

 “Propondo pintura nas embarcações e nas velas, além de vivências de navegação junto à comunidade e eventos culturais, pretendemos ampliar a reflexão, sensibilização e mobilização das comunidades para temas como: a valorização da água como bem natural finito, meio ambiente e lazer sustentável e mobilidade”, completa.

Atravesse a balsa

Não é de agora que essas margens inspiram e são utilizadas por moradores, artistas, ativistas… No final da avenida Belmira Marin, encontra-se a balsa que liga o Grajaú à Ilha do Bororé, que na verdade é uma península habitada por quase 10 mil habitantes.

Refúgio de final de semana para milhares de moradores da região, com sítios e marinas, a Ilha também abriga a Casa Ecoativa – projeto criado pela EMAE que ficou abandonado entre 2008 e 2014, mas foi retomado nos últimos anos pela população local. Hoje a Ecoativa oferece saraus, shows, cursos e oficinas de temas que vão da mídia livre à permacultura. Confira no vídeo:

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

5 Comentários

  1. […] domingo (13 de novembro), o projeto Navegando nas Artes encerra suas atividades em 2016 com vivências aquáticas, oficina de graffiti e exposição de […]

  2. […] sábado (11/05), o espaço Meninos da Billings vai vender camisetas em tamanhos adulto e infantil no valor de R$ 40, com direito a uma vivência […]

  3. […] educador William da Silva, do projeto [email protected] da Billings, observa que mesmo com o avanço da internet em todas as classes sociais o encontro presencial […]

  4. […] maior reservatório de água em área urbana do mundo é o palco para as performances de Israel de Lima […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Com crise climática e inflação na roça, orgânicos ainda atravessam ponte mas não param no prato das periferias

Do combustível ao adubo, alta generalizada dos preços afeta quem produz alimentos orgânicos na zona rural da capital paulista. Para não repassar custos, famílias agricultoras diminuem a já apertada margem de lucro e desaceleram produção que é insuficiente e foi prejudicada pelas chuvas. O acesso da população mais pobre à comida saudável fica ainda mais difícil. Entenda e conheça alternativas!

Apoie!
Skip to content