A revolução passa pelo prato

Thiago Borges

Thiago Borges

Na Semana do Meio Ambiente, destacamos pessoas e projetos nas quebradas que desmitificam que o pé de alface nasce na prateleira, apontam caminhos para uma alimentação saudável e alternativa à nossa dependência do mercado
Com informações de reportagem publicada no Portal da Juventude*

Paolo Sérgio Cezar Vieira, 22 anos, come de três em três horas. No cardápio, alimentos naturais e orgânicos, entre frutas, legumes, verduras e grãos. O garçom, que mora no Extremo Sul de São Paulo e trabalha em um restaurante em Higienópolis, evita comer carne vermelha. No lugar, peixes ou aves. Refrigerante e salgadinho, sem chance.
O incentivo vem de casa: a mãe não come carne de porco, a tia come apenas peixes e o pai pratica esportes. Com a prática de boxe, jiu jitsu e natação, além do aprendizado com os frequentadores de uma academia onde trabalhava, Paolo busca manter uma vida em equilíbrio.
A Pesquisa Nacional da Saúde de 2013, realizada pelo Ministério da Saúde e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, apontou que 60% dos alimentos com maior teor de gordura fazem parte da alimentação diária da população.
Por outro lado, um levantamento da associação Proteste divulgado ano passado mostra que 48% dos entrevistados comeram menos proteína animal e 24% dos participantes afirmaram que pelo menos uma vez por semana não comem carne. Além disso, 94% dos entrevistados estariam dispostos a consumir mais produtos orgânicos se a oferta fosse maior.
Os jovens, assim como eu, estão cada vez mais fortes nas suas atitudes, sonhos e objetivos por acreditar naquilo que fazem E a informação faz que nós nos interessamos”, diz ele. “Tenho uma dieta equilibrada, saudável e talvez sustentável por ter a capacidade de plantar [o que como]”.
Paolo segue aquela frase que já se tornou jargão: “você é o que você come”. Porém, se isso é verdade, nós brasileiros somos envenenados diariamente.
O País é o segundo maior produtor de alimentos do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, e o primeiro no consumo de agrotóxicos. Na safra de 2013/2014, o agronegócio utilizou 1 bilhão de litros de defensivos agrícolas, o que gera em média 5 litros de agrotóxicos por habitante.
E olha que estamos falando daquela alface, do pimentão, do tomate… Nem citamos os transgênicos e conservantes, presentes do suco de caixinha à cerveja abençoada, do café da manhã à janta, passando pelo dogão entre um corre e outro na rua.

(Foto Thiago Borges / Periferia em Movimento)

Valéria, agricultora orgânica e presidente da Cooperapas, que atua nas áreas de proteção ambiental. (Foto Thiago Borges / Periferia em Movimento)


“Costumam falar que a produção da indústria é convencional, mas somos nós os convencionais, os que produzem naturalmente, de forma simples, com o que convém”, aponta Valéria Maria Macoratti é presidente da Cooperapas, uma cooperativa de produção orgânica nas Áreas de Proteção Ambiental (APA) Bororé-Colônia e Capivari-Monos. “O convencional é o orgânico que vem desde os primórdios da humanidade, e o homem nasceu na agricultura e a gente vai acabar voltando pra ela”.
A Ilha do Bororé, bairro onde Paolo mora, fica em uma região de proteção ambiental com mais de 100 agricultores – muitos deles, orgânicos. Apesar dos desafios de produção e da concorrência com a agricultura produtivista, “estamos vendo um retorno das pessoas porque elas precisam de saúde, de alimentos sem agrotóxicos”, diz Valéria.
E, desde 2009, a lei federal 11.947 estabelece que 30% do valor repassado a escolas nos estados deve ser destinado à agricultura familiar. Para Valéria, este é um incentivo para que a produção cresça na cidade, e isso contribui para diminuir um dos principais fatores que ainda tiram os orgânicos dos pratos do brasileiro: o alto preço.
Horta comunitária embaixo de linha de energia elétrica no Jardim Primavera, Extremo Sul de São Paulo (Foto Thiago Borges / Periferia em Movimento)

Horta comunitária embaixo de linha de energia elétrica no Jardim Primavera, Extremo Sul de São Paulo (Foto Thiago Borges / Periferia em Movimento)


Quanto mais gente produzindo, mais o preço diminui, e com a lei do abastecimento das escolas temos um grande nicho pra abastecer, pois por mais que a gente produza, a gente não abastece São Paulo”, acredita. Mas ainda falta que as leis proibam o uso de agrotóxicos, já que tantos que são usados de forma indiscriminada aqui no Brasil e banidos em outros locais.
Enquanto isso, proliferam-se do centro às periferias iniciativas que aproveitam espaços como praças, terrenos baldios e vãos embaixo dos linhões de energia para a criação de hortas comunitárias.
A juventude está se organizando na periferia para fazer parte desta construção de uma agricultura urbana orgânica que possa gerar renda local, valorize o jovem como protagonista também do meio ambiente e que a revolução também seja nas panelas cheias de alimentos saudáveis”, aponta Renato Rocha Lima, integrante do coletivo Dedoverde.
Renato teve seu primeiro contato com o sistema chamado afrofloresta, que consiste no plantio preservando a Mata original, em meo às árvores e refazendo ciclos que se completam por exemplo com a criação de galinhas, que fornecem esterco para adubação natural.
Desde 2012, o coletivo Dedoverde mapeia pequenos produtores locais e terrenos disponíveis para plantar hortaliças, ervas e temperos em quebradas do Jardim Ângela e Jardim São Luís, na zona Sul da cidade. O objetivo é fomentar a produção local e valorizar e resgatar o conhecimento ancestral, que foi esquecido com a perda dos antigos quintais, além de ser fonte de renda e alimentação saudável.
Desmistificamos aquela visão de que pé de alface brota no supermercado”, brinca Renato. “Existem vários fatores como a qualidade da terra, o adubo natural, a semente; mas o principal é a mão do homem que ao invés de utilizar agrotóxico, afaga e acarinha o solo com amor e dedicação, esperando o tempo certo para cada produto e respeitando o ciclo da natureza”.
Atualmente, o Dedoverde tem duas hortas no CEU Casablanca e os produtos são comercializados todo primeiro sábado do mês na própria unidade, durante o Clube de Trocas da Associação de Moradores.
Quem planta seu próprio alimento, imprime a sua moeda, conecta-se com a Mãe Natureza e se torna uma pessoa mais flexível e saudável mentalmente”, completa Renato.
Não há revolução possível se ela não passar pelo essencial: o prato.

*O Portal da Juventude é mantido pela Coordenação de Juventude da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de São Paulo. Junto a Escola de Notícias, Vozes da Vila Prudente e Glória Maria (estudante secundarista de Paraisópolis), o Periferia em Movimento produz conteúdo sobre juventude e direitos a partir das bordas da cidade. Acesse todas as reportagens no Portal. Periodicamente, vamos publicar por aqui também!

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Com crise climática e inflação na roça, orgânicos ainda atravessam ponte mas não param no prato das periferias

Do combustível ao adubo, alta generalizada dos preços afeta quem produz alimentos orgânicos na zona rural da capital paulista. Para não repassar custos, famílias agricultoras diminuem a já apertada margem de lucro e desaceleram produção que é insuficiente e foi prejudicada pelas chuvas. O acesso da população mais pobre à comida saudável fica ainda mais difícil. Entenda e conheça alternativas!

Apoie!
Skip to content