#Memória2015: O clima esquentou – e as consequências chegam primeiro na quebrada

#Memória2015: O clima esquentou – e as consequências chegam primeiro na quebrada

Periferia em Movimento

Periferia em Movimento

O Extremo Sul é uma grande área de proteção ambiental esquecida pelo governo. Aqui, o descaso visto na tragédia da Samarco acontece todo o dia, enquanto "a Sabesp ta jogando merda na Billings"

São Paulo começou 2015 com a maior seca dos últimos tempos, e mesmo depois do susto, pouco se investiu nos nossos reservatórios. Apesar de ter quase 1 milhão de pessoas vivendo às margens da Billings e Guarapiranga, a população local fica até cinco dias sem água na torneira. A razão: as represas que banham o Extremo Sul de SP continuam poluídas, falta saneamento e o cenário ainda é de esgoto a céu aberto.

Compreender as mudanças climáticas é questão de sobrevivência, como já apontamos em reportagem: “Os principais prejudicados por essas alterações feitas na natureza pelo próprio ser humano serão os mais pobres: campesinos, favelados, periféricos, indígenas, ribeirinhos, quilombolas… todos que estão à margem da sociedade global são os mais vulneráveis às catástrofes naturais, escassez de alimentos, seca dos mananciais.”

O Extremo Sul é uma grande área de proteção ambiental esquecida pelo governo. Aqui, o descaso visto na tragédia da Samarco acontece todo o dia, enquanto “a Sabesp ta jogando merda na Billings”.

Relembre o que rolou sobre #MeioAmbiente na #Retrospectiva2015 do Periferia em Movimento

 

 

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Com crise climática e inflação na roça, orgânicos ainda atravessam ponte mas não param no prato das periferias

Do combustível ao adubo, alta generalizada dos preços afeta quem produz alimentos orgânicos na zona rural da capital paulista. Para não repassar custos, famílias agricultoras diminuem a já apertada margem de lucro e desaceleram produção que é insuficiente e foi prejudicada pelas chuvas. O acesso da população mais pobre à comida saudável fica ainda mais difícil. Entenda e conheça alternativas!

Apoie!
Skip to content