#Memória2016: Uma década depois dos Crimes de Maio, o Estado segue deixando mães sem filhos Ítalo ou Matheus. 10 ou 24 anos. No Morumbi, no Grajaú, na Favela Sucupira, na Zona Leste... Com golpe ou sem golpe para trocar os comandantes no andar de cima, o genocídio do povo negro continua, criando novas Mães de Maio, junho, setembro... Por outro lado, o revide vem mais forte

(Foto: Thiago Borges/Periferia em Movimento)

Ítalo ou Matheus. 10 ou 24 anos. No Morumbi, no Grajaú, na Favela Sucupira, na Zona Leste… Com golpe ou sem golpe para trocar os comandantes no andar de cima, o genocídio do povo negro continua

10 anos, 84 teses e as mães das periferias ainda perdem seus filhos para a polícia Uma década depois dos "Crimes de Maio", familiares aguardam resposta do Estado. Enquanto a conjuntura política do País se complica entre artimanhas de políticos profissionais, quem chora pelo sangue derramado nas quebradas só tem uma certeza: "é nois por nois!"

Os Crimes de Maio completam 10 anos, e para as Mães de Maio a luta continua segmentada: “Chegou a hora dos acadêmicos acordarem pra vida e ajudarem na revolução”, afirma Debora Silva