Cortar na educação é aprofundar desigualdades, diz professor periférico de universidade federal da Zona Leste

O sujeito periférico é o indivíduo nascido e criado em uma periferia e que, a partir do entendimento dessa condição social e influência de ações culturais (do RAP aos saraus), passa a agir politicamente pra mudar sua própria realidade. Isso é o que defende a tese de Tiaraju Pablo D’Andrea, 39 anos, ele mesmo um “sujeito periférico” que agora age contra os cortes do governo de Jair Bolsonaro na educação.

Greve da educação: Como os cortes de Bolsonaro afetam as periferias?

Estudantes e pesquisadores com origens nas bordas da cidade estão na universidade pública com objetivo de devolver o conhecimento obtido para as quebradas. Mas temem pelas medidas do governo Bolsonaro

Prefeitura corta grana pra Assistência Social: O que você tem a ver com isso?

Gestão de Bruno Covas congela R$ 240 milhões de serviços para população em maior risco social. Trabalhadores da área protestam contra medida

Por direitos, manifestantes tomam as ruas nesta semana

Do Grajaú ao Centro, movimentos fazem protestos por direito à manifestação, por terra e teto, contra o genocídio indígena, a tarifa e cortes no transporte

Ocupação, greve e repressão: as Fábricas de Cultura estão fervendo

Contra o sucateamento de equipamentos culturais nas quebradas, aprendizes ocupam e os educadores fazem greve. A Poiesis, que recebe dinheiro do Governo de Geraldo Alckmin, reprime a molecada enquanto persegue e demite trabalhadores

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: