Entre os dias 23 e 27 de julho, o Núcleo Pele (grupo que faz experimentações teatrais no Grajaú) ocupa o Galpão Cultural Humbalada com a proposta de discutir o funk.

A provocação começa na segunda-feira (23/07), às 19h, com um debate sobre “A marginalização do funk”, com a participação da Liga do Funk para trocar uma ideia sobre como essa linguagem se desenvolve dentro e fora da quebrada, bem como o funcionamento dos fluxos.

Na terça-feira (24/07), também às 19h, a prosa “E as novinhas, hein?!” convida Elânia Francisca, psicóloga do rolê e mestra em educação sexual, para falar sobre sexualidade das meninas periféricas, chamadas de “novinhas” na quebrada.

A ocupação segue entre quarta e sexta-feira (25 a 27/07), com o ensaio aberto de “Segue o Baile?”, que por meio da linguagem do funk lança as questões: Corpo suado não é só de dançar, corpo suado não é só de correr, nesse pancadão estamos suados do quê? Como corpos periféricos se organizam em meio a um pancadão que já dura há meses para fazer um desses corpos continuarem dançando?

A proposta acontece dentro do projeto Morada Poética, realizado pelo Galpão Cultural Humbalada por meio do edital Proac Território das Artes.

Participe da discussão

1 comentário

  1. A peça o Baile segue, é uma manifestação bastante de mau gosto ,onde é possível ver o nível de jargões de baixo escalão, E a falta de respeito em relação ao Sagrado se referindo a Deus e a Palavra com irreverência desclassfiicando sua importância diante da sociedade.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ALERTA! Coronavírus e as quebradas

Confira nossa cobertura

Apoie nossa cobertura jornalística

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: