#Retrospectiva2017: Mais um ano contando corpos? O genocídio é contínuo, e não seria diferente desta vez. Até quando?

O racismo é estrutural e o genocídio é cotidiano na vida das pessoas negras no Brasil. Quando não é uma bala que atinge o corpo, é este corpo que é aprisionado ou torturado de diferentes formas. E em 2017, isso foi admitido pelo novo comandante da ROTA, a mais violenta das polícias, que disse que seus policiais devem agir de formas diferentes nas periferias e nos Jardins.

Não é exclusividade brasileira, como lembrou a intelectual e militante negra dos Estados Unidos, Patricia Hill Collins. Mas em um País que permite o assassinato de 62 mil pessoas por ano ou encarcera mais de 720 mil, precisamos resistir a esse processo genocida: seja nos informando sobre como agir em abordagens policiais, seja denunciando prisões forjadas – Rafael Braga, presente! Por aqui, lembramos que a Craco resiste, o povo Guarani existe e também resiste, e que a intolerância religiosa não passará batida.

Relembre:

E assista ao vídeo: