Publieditorial – Conteúdo patrocinado

Depois de constantes processos de escuta e estudos, a Avon reconheceu que é preciso fazer mais pela diversidade e empoderamento feminino. Por isso, a empresa lança um compromisso antirracista com objetivo de reparar injustiças históricas.

Entre as metas internas, estão a contratação de 50% de pessoas negras nos cargos de entrada (estágio e trainee) a partir de 2021e 30% de mulheres negras em cargos de liderança até 2030.

E para elucidar todo o movimento da companhia, surge a campanha “Essa É Minha Cor”. O conceito é um desdobramento de um estudo realizado pela Avon com o objetivo entender a diversidade de tons e subtons das peles negras brasileiras.

A criação da paleta é resultado do trabalho colaborativo entre a maquiadora Daniele Da Mata, uma das maiores experts em pele negra no Brasil, e a cientista norte-americana Candice Deleo-Novack, chefe de desenvolvimento de produtos para olhos, rosto e design técnico de produtos da Avon. A dupla conseguiu sintetizar em uma única paleta a maior gama possível de tons e subtons das peles negras brasileiras ao aportar um olhar humanizado para cada produto.

“Essa é Minha Cor”, filme de lançamento dos novos produtos, foi cocriado pela Wunderman Thompson Brasil e Larissa Luz, que fez a música, escreveu o manifesto da campanha e é uma das estrelas do filme ao lado de Cris Vianna, Daniele Da Mata, Ana Paula Xongani, Magá Moura, Geovana Ribeiro, Glória Abreu, Lub Big Queen, Odara, Onika Bibiano e Vilma Caetano.

A nova campanha foi coproduzida pelo Coletivo Mooc e a Damasco e será exibida na TV, digital, OOH, Outdoor Social e rádio.

“Provocar mudanças é reconhecer o ponto em que se está, sair do lugar de conforto e partir para a ação – e é esse o compromisso que a Avon está assumindo, num processo de escuta rico, profundo, cheio de verdade. Amplificar vozes femininas negras que são diariamente invisibilizadas num país racista é uma contribuição efetiva em prol de uma transformação necessária, e participar desse processo onde misturam-se não só tons, mas, também, grandes talentos, é potente e inspirador”, afirma Larissa Luz.

Confira abaixo o Manifesto

Ser mulher negra é nascer com uma missão: sobreviver.
Porque parece que estamos sempre no risco, senão de morrer, ao menos de enlouquecer.
Mas mesmo com tudo, quando estamos juntas, deixamos de ser mulheres de guerra e passamos a ser mulheres de amor. Na mistura das nossas tintas mora o tom do abraço,
e ele é reluzente, é consistente.
O tom ideal vem da nossa união.
E mergulhando nessa paleta, buscamos achar o nosso lugar.
Poder assumir a nossa verdade, na pele crua é acessar a liberdade.
Seguir com a segurança e a convicção de que o mundo é nosso e somos a revolução.
Bater no peito e dizer com vontade:
Eu sou preta, eu sou negra, essa é minha cor!

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ALERTA! Coronavírus e as quebradas

Confira nossa cobertura

Apoie nossa cobertura jornalística

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: