Projeto de futebol para jovens de favelas da Vila Prudente busca apoio

Do Vozes das Comunidades da Vila Prudente

Resultado de promessa política, a área poliesportiva localizada atrás do viaduto Grande São Paulo, entre a avenida Dr. Francisco Mesquita e alça de acesso à João Afonso, na Vila Prudente, tem sido utilizada pelo jornal comunitário Vozes das Comunidades da Vila Prudente para que as crianças e adolescentes tenham ao menos um projeto que os contemplem com o incentivo ao esporte e à educação.

A quadra, sem infraestrutura, está sendo utilizada as segundas, terças, quartas e sextas-feiras à noite para promover a inserção do esporte para meninos e meninas entre 5 e 17 anos. Ao todo o projeto conta com três pessoas atuando integralmente com a ajuda dos próprios moradores e de amigos em rede social para financiar as atividades que tiveram início no último dia 20 de julho.

Leandro Silva, professor dos jovens, conta que o mais difícil é quando acontece jogadas nas linhas de fundo e a bola ultrapassa as grades caindo nas ruas e avenida próximas.”Nós tentamos não deixá-los irem buscar as bolas quando vai pra pista para que não aconteça um acidente, mas é difícil, a molecada corre muito”, disse.

Os organizadores do projeto recentemente promoveram uma campanha nas redes sociais para conseguir materiais esportivos para a própria iniciativa e para os jovens participantes. Um grupo de mobilizadores do futebol de várzea viu e fez doação de chuteiras, bolas, redes, coletes, calções e meias que foram distribuídos para os que mais necessitavam. Cesar Gouveia, editor-chefe do jornal e diretor do projeto, explica que a demanda é grande e as doações contemplou somente os que mais precisavam.

“Temos alguns meninos aqui que não tem condições nem de ter as três refeições por dia, quem dirá comprar uma chuteira? A doação do Amigos da Várzea foi importante, impulsionou a nós todos, mas a nossa necessidade hoje vai além disso”, enfatiza

Nenhum dos organizadores recebem recursos financeiros para continuar o projeto. Todos são voluntários e tem tentado apenas trabalhar com a subprefeitura de Vila Prudente para que eles promovam a reforma da quadra e que coloquem uma cobertura para que nos dias de chuva os treinos aconteçam.

“É complicado em dias de chuvas, pois temos um grupo no WhatsApp e os meninos ficam sempre perguntando se vai ter treino, mas em dias chuvosos não temos condições de colocar 40, 50 jovens na quadra com risco de tomar um raio”, conta Gouveia.

O projeto há alguns dias fez uma reunião com os pais para que todos estivessem cientes de que todos os dias de treino tem horários estabelecidos e que naquele período e no local de treino os meninos e meninas são de responsabilidade dos treinadores.

Necessidades

O número de crianças e adolescentes atendidos é grande para a quadra que já está se tornando pequena. Para Cesar Gouveia esse “problema” só mostra a necessidade que se tem de políticas públicas para os jovens. “A gente não esperava todo esse número de pessoas. Quando eu era mais novo, o mesmo Leandro iniciou um projeto na antiga quadra que tinha aqui e a quantidade não passava nem de 20 meninos”, conta ele.

Com a demanda cada vez maior, a necessidade do projeto tem sido uma cobertura da quadra para os dias de chuva, a reforma ou troca das grades, a reforma da pintura e do espaço para a prática de outras modalidades esportivas, e também a melhora da iluminação. Por isso, o jornal comunitário tem tentado entrar em contato com a subprefeitura de Vila Prudente/Sapopemba para ver o que podem fazer.

Festival

Para comemorar os dois meses de projeto, no próximo dia 27 de setembro acontecerá o 1º Festival FUTVIDA Prudente para os participantes das atividades.

O festival terá a participação de Raony Pacheco, narrador dos jogos do Juventus pela Web Rádio Moóca, para narrar a final dos meninos que valerá troféu e medalhas de ouro e prata.