No último sábado (17/10), aconteceu o júri que escolheu os vencedores do 42ª edição do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos em 6 categorias: arte, fotografia, produção jornalística em texto, em áudio, em vídeo e multimídia. Neste sábado (24/10), das 16h às 20h, os premiados participam de uma roda de conversa sobre os trabalhos realizados. E no domingo (25/10), às 18h, acontece a solenidade de premiação. Os 2 eventos serão exibidos pelo youtube.

Considerado entre as mais significativas distinções jornalísticas do País, o Prêmio Vladimir Herzog tem abrangência nacional e reconhece, ano a ano, trabalhos que valorizam a Democracia e os Direitos Humanos. . A Periferia em Movimento compõe a comissão organizadora do Prêmio.

Quem foi premiado

Na categoria “Arte”, a cartunista Laerte foi escolhida pelo trabalho Infernópolis na Folha de S. Paulo. Confira aqui a matéria. A menção honrosa ficou para E daí?, aqui.

Em “Fotografia”, Yan Boechat venceu por fotos de óbitos por covid-19 que aconteceram dentro de casa, em Manaus. Matéria do jornal O Globo aqui. E Gabriela Biló recebeu menção honrosa pela foto Presidente Viral, no O Estado de S. Paulo. Confira aqui a matéria.

Em “Áudio”, Tiago Rogero foi premiado pelas Histórias de Mercedes Baptista, Consuelo Rios, Bethania Gomes e Ingrid Silva, no jornal O Globo. Matéria aqui. E Juliana Dantas recebeu menção honrosa por Confinamento 3 meses depois, no Finitude. Confira aqui.

Em “Vídeo”, a equipe do Fantástico foi premiada pela matéria Os defensores da floresta. Veja aqui E a menção honrosa ficou com a equipe da TV Globo Minas pelo Rolê nas Gerais. Matéria aqui.

Na categoria “Multimídia”, o site Repórter Brasil foi premiado pela matéria sobre ameaças, milícia e morte no Velho Chico. Confira aqui. E o The Intercept Brasil recebeu menção honrosa por Arsenal Global aqui.

Em “Texto”, a equipe da Agência Pública foi premiada pela matéria sobre o FBI e a Lava-Jato. Veja aqui. E Amanda Rossi recebeu menção honrosa pela matéria Fragmentos de vida e morte, na Revista Piauí. Confira aqui.

Por fim, o prêmio destaque fica para “Crime continuado (Aroeira)”, em homenagem às 109 peças inscritas nessa 42ª edição por artistas do traço integrantes do movimento da Charge Continuada #SomosTodosAroeira.

Quem faz?

O 42º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos é promovido e organizado por uma comissão constituída pelas seguintes instituições: Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ; Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo; Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo; Associação Brasileira de Imprensa – ABI; Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo – ABRAJI; Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil – UNIC Rio; Periferia em Movimento; Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA/USP; Instituto Vladimir Herzog; Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB Nacional, Ordem dos Advogados do Brasil – Secção São Paulo; Conectas Direitos Humanos; Ouvidoria da Polícia do Estado de São Paulo e Sociedade Brasileira dos Estudos Interdisciplinares da Comunicação – Intercom.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ALERTA! Coronavírus e as quebradas

Confira nossa cobertura

Apoie nossa cobertura jornalística

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: