Por direitos, manifestantes tomam as ruas nesta semana Por terra, teto, transporte e pelo direito ao protesto: confira as motivações que levam a população aos protestos

O que faz você ir para as ruas?

Nesta semana, movimentos e coletivos organizam uma série de protestos na cidade de São Paulo pelo direito à livre manifestação, por terra e teto, contra o genocídio indígena, contra o aumento da tarifa do transporte público e o corte de linhas de ônibus.

A Periferia em Movimento explica o que tá rolando. Confira:

 

Terça-feira, 29 de janeiro

14h > Ato contra Dita-Dória

Organizado por Movimento Passe Livre, Secundaristas em Luta, pelo Coletivo Desentorpecendo a Razão, o Coletivo Autônomo Herzer e a Resistência Popular Sindical, o ato defende o direito à livre manifestação.

O protesto é contra o decreto assinado em 19 de janeiro pelo governador João Doria que determina que qualquer manifestação com mais de 300 pessoas participando deve pedir autorização com cinco dias de antecedência da data marcada à Polícia Militar. “O Governo do Estado passa a ter respaldo legal para impedir e censurar qualquer manifestação que faça oposição a suas medidas e, mesmo, ditar local, data e o trajeto de todos os atos”, dizem os organizadores.

Além disso, o decreto impede que manifestantes bloqueiam o trânsito de veículos ou pedestres, além do uso de máscaras pelos participantes. “O decreto de Doria significa mais um grave avanço da repressão dos de cima à luta dos de baixo. Mais uma vez, os governantes respondem às pautas populares com a violência da polícia”, completam os movimentos.

O ato acontece nesta terça-feira, a partir das 14h, em frente a Secretaria da Segurança Pública, no Largo São Francisco (Centro de São Paulo). Saiba mais aqui!

 

15h > Marcha “Menos ódio, mais moradia”

Ocupação Marielle Franco: quatro mil famílias em luta por moradia no Parque São Rafael (Foto: Thiago Borges/Periferia em Movimento)

O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) inicia a campanha “Menos ódio, mais moradia” com a realização de uma marcha pelo centro da cidade de São Paulo. O objetivo é cobrar dos governos a retomada da política habitacional e a volta do Ministério das Cidades.

“A solução para os problemas da população não é com armas ou criminalização dos movimentos sociais”, diz a organização. “Só quem vive na pele sabe a dificuldade o que é a dura realidade de ter que escolher entre pagar aluguel e colocar comida na mesa”, completa.

O ato foi aprovado em assembleias de moradores de dezenas de ocupações do MTST na capital e região metropolitana. A concentração acontece a partir das 15h, na Praça da República (Centro). Saiba mais aqui.

 

Quarta-feira, 30 de janeiro

17h > Quatro ato contra o aumento da tarifa do transporte público

O Movimento Passe Livre (MPL) convoca mais um protesto contra o aumento das tarifas de ônibus, trens e metrô, promovidas pela Prefeitura de São Paulo e pelo Governo do Estado. Em 2019, o preço da passagem pulou de R$ 4 para R$ 4,30 – um aumento de 7,5%, mais que o dobro da inflação no período (3,59%). A integração entre ônibus e trens passou para R$ 7,48.

O movimento chama atenção que, com o reajuste do salário mínimo abaixo da inflação e a reforma trabalhista, o peso no bolso do trabalhador será ainda maior. O ato também aponta para a próxima licitação de ônibus na cidade de São Paulo, que estabelece o corte de centenas de linhas, a redução da frota de ônibus e o maior número de baldeações pelos próximos 20 anos.

A concentração acontece a partir das 17h, no Largo da Batata (em Pinheiros, Zona Oeste). Saiba mais aqui.

 

Quinta-feira, 30 de janeiro

16h > Ato “Sangue Indígena, nenhuma gota a mais”

(Foto: Paulo Pereira)
Indígenas guaranis da aldeia Tenondé Porã (Foto: Paulo Pereira)

Com a ameaça representada pelo governo de Jair Bolsonaro, que promete não demarcar terras indígenas e ameaça rever o direito dos povos originários, em diferentes partes do País movimentos estão mobilizados contra o genocídio indígena.

“O Brasil já é o país mais perigoso para ativistas e defensores da terra e do meio ambiente: em 2017, foram 57 assassinatos de líderes indígenas, ativistas comunitários e ambientalistas por protegerem seus lares e territórios dos efeitos da mineração, do agronegócio e de outras atividades que ameaçam seu modo de vida”, aponta a Associação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB).

Em São Paulo, a manifestação acontece em frente ao MASP, na Avenida Paulista, a partir das 14h. Veja aqui.

 

Sexta-feira, 01 de fevereiro

17h > Ato Grajaú contra o aumento e o corte de linhas de ônibus

Fevereiro começa com um ato-show organizado pelo Comitê de Resistência do Grajaú, no Extremo Sul de São Paulo. O objetivo é chamar a atenção da população local para o aumento do preço das passagens do transporte público, as más condições do serviço e o corte de centenas de linhas de ônibus em toda a cidade.

A concentração do ato ocorre às 17h, em frente a Escola Estadual Carlos Ayres (na Avenida Dona Belmira Marin), e segue até a Praça do Sossego. Saiba mais aqui. Estão confirmados MC Negão, Cauê Gás, MC Americano, MC Psico e Quebrada, Ktarse, Helena Silvestre e Anarcofunk proibidão.

A nova licitação que estabelece as regras para as empresas de ônibus operarem em São Paulo está novamente suspensa pela Justiça. Entre as medidas que valerão pelos próximos 20 anos, está o corte ou readequação dos trajetos. Apenas na região Extremo Sul da cidade, 15 linhas devem ser extintas, 8 delas. Confira a lista abaixo:

LINHAS EXTINTAS:

Avenida Hum, São José: a ciclovia é interrompida quando chega o ponto de ônibus (Foto: Thiago Borges/Periferia em Movimento)

5362/23: Pq. Res. Cocaia – Vicente Rao
5362/21: Grajaú – Praça da Sé
5362/22: Jardim Eliana – Praça da Sé
5362/41: Pq. Ibirapuera – Pq. Res. Cocaia
5632/10: Vila São José – Largo São Francisco
6078/10: Cantinho do Céu – Shopping Interlagos
6080/10: Jardim Lucélia – Shopping Interlagos
6055/10: Jardim São Bernardo – Shopping Interlagos
675G/41: Jardim Castro Alves – Jabaquara
637G/51: Jardim Eliana – Pinheiros
637J/10: Vila São José – Pinheiros
675M/10: Centro Sesc – Jabaquara
6069/10: Jardim São Bernardo – Terminal Sto Amaro
607M/10: Terminal Grajaú – ET Água Espraiada (Shopping Morumbi)
677V/10: Jardim Alpino – CPTM Grajaú

SÓ EM HORÁRIO DE PICO
5362/10: Pq. Res .Cocaia – Praça da Sé
637G/10: Grajaú – Itaim Bibi
675G/10: Parque Res. Cocaia – Jabaquara
6091/10: Vargem Grande – Terminal Sto Amaro
675X/10: Terminal Grajaú – Moema (Circular)
6074/10: Jardim Gaivotas – Estação Jurubatuba
6118/10: Jardim Icaraí – Terminal Santo Amaro (Via Papine)
6026/10: Jardim Icaraí – Terminal Santo Amaro (Via CPTM Autódromo).

LINHAS ENCURTADAS
695Y/10: Terminal Parelheiros – Metrô Vila Mariana irá até o Term Sto Amaro
5370/10: Terminal Varginha – Largo S Francisco irá até o Parque Ibirapuera
675X/10: Terminal Grajaú – Metro Vila Mariana irá até Campo Belo
5362/41: Parque Ibirapuera – Pq. Res. Cocaia irá até o Terminal Grajaú
675R/10: Grajaú – Jabaquara irá até o Terminal Grajaú
695H/10: Jardim Herplin – Terminal Santo Amaro irá até o Terminal Grajaú
5652/10: Jardim IV Centenário – Praça da Sé irá até o Shopping Interlagos
695D/10: Jardim Santa Bárbara – Jabaquara irá até o Hospital Pedreira
6110/10: Palmares – Aeroporto irá até a Estação Autódromo
675G/10: Pq. Res. Cocaia – Jabaquara irá ser Circular no Shopping Interlagos
5317/10: Sesc/Orion – Praça do Correio irá até o Terminal Sto Amaro
6030/10: Unisa Campus – Terminal Santo Amaro irá até o Terminal Grajaú
6091/10: Vargem Grande – Terminal Santo Amaro irá até o Terminal Parelheiros
5632/10: Vila São José – Largo São Francisco irá até o Terminal Santo Amaro

PARTICIPE DE NOSSA PESQUISA DE OPINIÃO