Solidariedade na quebrada: “Quem faz o corre pela população LGBTQIA+ durante a pandemia?”

Solidariedade na quebrada: “Quem faz o corre pela população LGBTQIA+ durante a pandemia?”

Pedro Ariel Salvador

Pedro Ariel Salvador

No 18º episódio do podcast Quebra das Ideias, conversamos com Onika Bibiana sobre os corres para garantir o sustento mínimo à população LGBTQIA+ na periferia de São Paulo

Por Laís Diogo. Edição de áudio por Paulo Cruz. Versão para vídeo por Vitori Jumapili

Historicamente, a população LGBTQIA+ já sofre com a marginalização social. E com a crise da pandemia, essas pessoas têm sido ainda mais impactada pela falta de trampo, a escassez dos programas de transferência de renda governamentais e, consequentemente, estão mais vulneráveis.

Como tempos apresentado por aqui, coletivos como a Travas da Sul têm se organizado para garantir o mínimo para esses grupos. E a gente conversa com Onika Bibiana, integrante do grupo, sobre esse corre.

Ouça no Quebra das Ideias, o podcast da Periferia em Movimento. Você pode acessar pelo spotify, anchor ou clicando abaixo.

Saiba mais sobre as Travas da Sul em matéria que publicamos no ano passado. Você também pode contribuir com a campanha da Travas da Sul clicando aqui e conhecer outras campanhas de solidariedade na quebrada aqui.

Este conteúdo faz parte do Quebrada Comunica, projeto de fortalecimento do campo da comunicação periférica da cidade de São Paulo idealizado pela Rede Jornalistas das Periferias em parceria com o Instituto de Referência Negra Peregum, Uneafro Brasil e o Fórum de Comunicação e Territórios.

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

3 Comentários

  1. […] Marci, integrante da coletiva Travas da Sul, foi uma das primeiras a chamar uma manifestação. “A gente tá há 1 ano distribuindo cestas […]

  2. […] 2019 ela se mudou para São Paulo e foi acolhida por Marcia Marci, uma das integrantes da coletiva Travas da Sul, do Extremo Sul da cidade. “Foi um acolhimento afetivo, emocional, foi o que me deu base e […]

  3. […] 2019 ela se mudou para São Paulo e foi acolhida por Marcia Marci, uma das integrantes da coletiva Travas da Sul, do Extremo Sul da cidade. “Foi um acolhimento afetivo, emocional, foi o que me deu base e […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Apoie!
Skip to content