Em novembro de 2015, a Barragem de Fundão, das Mineradoras Samarco, Vale e BHP Biliton se rompeu em Mariana – MG e despejou 20 milhões de toneladas de rejeito de minério ao longo da bacia do Rio Doce, atingindo 26 cidades.

O documentário “AtingidAs” revela as histórias de mulheres sobreviventes ao desastre, dois anos depois. As criadoras do filme contam que no processo de criação do filme,

tivemos que nos atentar para o cotidiano delas – uma vez que percebemos que essas violências eram diárias e invisibilizadas nas lutas dos atingidos, para as mineradoras e até para o sistema judiciário.
Para isso, passamos a participar da rotina de cada uma, também conversando com os parentes e amigos de convívio.

O filme foi produzido pelas estudantes de jornalismo: Daniela Felix, Miriã Bonifácio e Larissa de Oliveira, alunas da UFOP (Universidade Federal de Ouro Preto – MG), orientadas pela professora Karina Gomes, concorrendo ao 9º Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão. O tema da edição foi: “Sob a ponta do iceberg: Revelando a violência contra as mulheres que ninguém vê

O Periferia em Movimento, em 2017, entrou para a Comissão Julgadora do Prêmio, com a missão de somar na valorização e incentivo do jornalismo de periferia. Entre os premiados da 9ª edição, está o documentário AtingidAs, na modalidade Televisão.

Assista AtingidAs na íntegra aqui:

Confira na página do Instituto Vladimir Herzog quais os 10 trabalhos vencedores do concurso!

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ALERTA! Coronavírus e as quebradas

Confira nossa cobertura

Apoie nossa cobertura jornalística

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: