“O que foi comigo antes não vai ser de novo agora” Documentário sobre Mulheres Atingidas pelo desastre da Samarco em Mariana está entre os vencedores do Prêmio Jovem Jornalista

Em novembro de 2015, a Barragem de Fundão, das Mineradoras Samarco, Vale e BHP Biliton se rompeu em Mariana – MG e despejou 20 milhões de toneladas de rejeito de minério ao longo da bacia do Rio Doce, atingindo 26 cidades.

O documentário “AtingidAs” revela as histórias de mulheres sobreviventes ao desastre, dois anos depois. As criadoras do filme contam que no processo de criação do filme,

tivemos que nos atentar para o cotidiano delas – uma vez que percebemos que essas violências eram diárias e invisibilizadas nas lutas dos atingidos, para as mineradoras e até para o sistema judiciário.
Para isso, passamos a participar da rotina de cada uma, também conversando com os parentes e amigos de convívio.

O filme foi produzido pelas estudantes de jornalismo: Daniela Felix, Miriã Bonifácio e Larissa de Oliveira, alunas da UFOP (Universidade Federal de Ouro Preto – MG), orientadas pela professora Karina Gomes, concorrendo ao 9º Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão. O tema da edição foi: “Sob a ponta do iceberg: Revelando a violência contra as mulheres que ninguém vê

O Periferia em Movimento, em 2017, entrou para a Comissão Julgadora do Prêmio, com a missão de somar na valorização e incentivo do jornalismo de periferia. Entre os premiados da 9ª edição, está o documentário AtingidAs, na modalidade Televisão.

Assista AtingidAs na íntegra aqui:

Confira na página do Instituto Vladimir Herzog quais os 10 trabalhos vencedores do concurso!