#Memória2016: Contra o oligopólio das comunicações, democratização da mídia na prática Em 2016, publicamos mais de 60 reportagens, 20 vídeos e 400 notas, além de realizarmos mais de 350 horas de encontros de aprendizagem com mais de 700 pessoas. Saiba como participar em 2017!

Boa parte da estrutura e verba para produção de conteúdo informativo no Brasil está nas mãos de poucas famílias, que por sua vez controlam quais são os assuntos e as vozes que merecem destaque em seus veículos de comunicação. Saiba mais sobre isso aqui. Mas isso está mudando. O avanço da internet e o surgimento de novas tecnologias permitem que mais brasileiros tenham acesso a conteúdos e ferramentas antes restritos e, com isso, a uma diversidade maior de narrativas e opiniões.

O ano de 2016 não foi fácil, mas as dificuldades propiciaram uma série de rupturas. No Periferia em Movimento seguimos avançando com outros coletivos e mídias livres para combater esse oligopólio. Produzimos mais de 60 reportagens e artigos próprios, mais de 20 vídeos, além de publicarmos mais de 400 notas diárias, buscando dar visibilidade a quem está na frente de luta pela garantia de direitos nas quebradas – principalmente aqui no Extremo Sul de São Paulo, onde nascemos, atuamos e estamos articulados. Com isso, chegamos a uma média de 120 mil pessoas por mês em nossos canais – site, redes sociais e Youtube. Isso significa um crescimento de 200% em um ano.

Ainda é pouco, certo? Por isso apostamos na democratização da mídia na prática, promovendo cursos, oficinas, palestras e vivências sobre periferias, comunicação e direitos humanos. Ao todo, foram mais de 350 horas (100 horas a mais que em 2015) de encontros de aprendizagem em diferentes lugares de São Paulo e até em Salvador (durante o I Encontro Baiano de Mídia Livre) com envolvimento direto de mais de 500 pessoas de todas as idades (especialmente adolescentes estudantes de escolas públicas), que discutiram e produziram conteúdos próprios, além de palestras e debates acompanhados por mais de 200 pessoas.

Continuamos articulados com coletivos e movimentos do Extremo Sul da cidade e também de outras pontas, em fóruns e redes diversos. Especificamente, neste ano contribuímos com a produção de conteúdo para o Portal da Juventude entre abril e agosto, criamos uma grupo de mídias e economia solidária com outros grupos do Grajaú e lançamos com mais de 10 mídias da livres e 100 profissionais de comunicação das quebradas a Rede Jornalistas das Periferias, com objetivo de fortalecer as narrativas que esses grupos estabelecem na direção contrária da mídia hegemônica.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em 2017, continuamos com os desafios de facilitar o acesso à informação pelos moradores das quebradas, furar as nossas próprias bolhas, contribuir para o fortalecimento das lutas diárias do nosso povo e, ao mesmo tempo, garantir recursos para manter todo esse trabalho. E já temos garantidas mais de 100 horas de oficinas e cursos com adolescentes na região Extremo Sul na segunda edição do projeto “Repórter da Quebrada”.

Queremos ampliar e aprofundar esse debate. E você pode participar com envio de conteúdos próprios, sugestões de pauta, trabalho voluntáriodoaçõescompra de nossos serviços ou com outras ideias e propostas para integrar nosso coletivo!

Abaixo, nossos posicionamentos ao longo do ano e o espaço aberto a outras vozes em nossos canais:

Editorial: As periferias, do discurso à prática

“Nossos passos vêm de longe”: Mulheres negras e as oportunidades contra a maquinaria da opressão

Rede Jornalistas das Periferias é lançada oficialmente

Editorial: Papo rápido sobre golpe e democracia

Editorial: Brasil racista, máquina mortífera para o povo preto

Quem decide qual informação chega ou não até você?

Mães de Maio: “Queremos partir uma nova sociedade”

Chorar pelas guerreiras que se foram, viver por aquelas que virão