Guerra às drogas e encarceramento em massa revelam racismo estrutural brasileiro

Guerra às drogas e encarceramento em massa revelam racismo estrutural brasileiro

Periferia em Movimento

Periferia em Movimento

Reportagem de Vinícius Martins, para o Alma Preta

A atual legislação para entorpecentes ilegais é um dos motores do que pesquisadores e ativistas chamam de “guerra às drogas”. Os conflitos urbanos gerados pelo combate ao tráfico e ao uso de substâncias ilícitas abastecem com corpos negros o superlotado sistema prisional brasileiro.
Mortes e as prisões em cima do privilégio
O novo comandante da Rota em São Paulo, o tenente-coronel Ricardo Augusto Nascimento de Mello Araújo, afirmou em entrevista recente que a abordagem da Polícia Militar deve ser feita de uma forma em um bairro nobre, como os Jardins, e de outra maneira nas periferias da cidade.
A declaração reacendeu novamente o debate sobre violência policial e de forma ela atinge diferentes classes e raças sociais no Brasil. No contexto de guerra às drogas, territórios e corpos negros são os alvos preferenciais da violência policial e do encarceramento.
Ainda que o tráfico e o uso de substâncias ilícitas aconteça também nas classes médias e nos bairros nobres das cidades, o ônus se restringe na maioria das vezes às periferias. Para a ativista norte-americana Deborah Small, uma nova política de drogas é um dos pontos centrais para que a violência em favelas e periferias brasileiras diminua.
“A questão da reforma da política de drogas é de interesse para afro-descendentes no Brasil já que a ‘guerra às drogas’ é a principal razão para a violência entre as comunidades e a polícia nas favelas. Enquanto o governo estiver comprometido com uma ‘guerra às drogas’, as comunidades negras estarão na mira”, afirma.

Esse é apenas um trecho da reportagem do Alma Preta, escrita por Vinícius Martins. Confira o texto na íntegra aqui.

Veja também as outras reportagens da Série “Existe Genocídio Negro no Brasil?

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

2 Comentários

  1. […] maior autonomia, Matuzza se estabeleceu na cidade e chegou a espaços como o Centro de Convivência É de Lei, que atua desde 1998 na promoção de direitos sociais e da saúde, associados à política de […]

  2. […] o que Kenarik chama de “hiper encarceramento”, favorecido por um lado pela lei de drogas que passou a vigorar a partir de 2006; e, por outro, por um judiciário muito conservador e um […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Apoie!
Skip to content