Foto em destaque: Histórias do Velho Batista / Por Moisés Morais

O feriado prolongado da dita Proclamação da República significa “descanso” para uma parcela da população. E se você vai estar de boa nos próximos dias, pode ser a oportunidade de experimentar encontros poéticos, prosas sinceras e novas possibilidades.

A Periferia em Movimento indica pra você!

Pra começar nossa conversa, neste sábado (16/11) é a abertura do projeto “Vivências eco-terapêuticas com idosas”, promovido pelo coletivo Germinar com apoio do Programa VAI da Secretaria Municipal de São Paulo. A ideia é promover vivências semanais que proporcionem o resgate da história de vida, contato com a terra e valorização dos saberes relacionados ao autocuidado natural e a relação consigo, com o outro e com o meio (território).

E a abertura é com uma vivência afetiva de trocas e resgate da pausa com o espetáculo “Histórias do Velho Batista”, com Paulo Henrique Sant’Anna. Acontece das 16h às 18h, no A Bordar Espaço Terapêutico, que fica na avenida Lourenço Cabreira, 489 – Jardim Primavera. Saiba mais aqui.

No mesmo dia, a partir das 18h, o Coletivo Fora de Frequência troca uma ideia com Raphão Alaafin sobre a influência do Hip Hop na autoestima, identidade e resgate à ancestralidade. O rapper vai abordar sua trajetória no movimento e a importância da cultura de rua para a construção e afirmação da autoestima e formação da identidade, por meio da contribuição e desenvolvimento de conhecimentos que o movimento articula visando o fortalecimento do povo periférico.

O encontro acontece no Espaço Cultural Mocambo, que fica na rua Egídio Colonna, 4A, no Jardim Alto do Riviera – Zona Sul de São Paulo. Confira aqui.

Sobra poesia

Para quem curte versos, o circuito de saraus começa nesta quinta-feira (14/11) com a 99ª edição do Sobrenome Liberdade. A partir das 20h, o sarau promove o encontro da matriarca grajauense Maria Vilani lançando seu novo livro, “Abcesso”, e o rapper MMoneis com seu novo EP, “AM:PM”, e suas rimas no pocket show da noite. O rolê acontece no Relicário Rock Bar, que fica na rua Manoel de Lima, 178 – Jordanópolis. Confira aqui.

E o CAPSArtes – Centro de Arte e Promoção Social do Grajaú, o qual Maria Vilani foi uma das fundadores, realiza no sábado (16/11) mais uma roda de poesia. Dessa vez, com a poeta Jessica Angelin Doula, fundadora do Sarau das Mina e integrante do coletivo Cultura Viva, que documenta culturas originárias através do audiovisual, estuda medicinas e culturas originárias em cerimônias tradicionais.

A mediação fica a cargo das poetas Alessandra Silveira e Maira Garcia. Na sequência, tem roda cantante. A partir das 16h, no Centro Cultural Grajaú, que fica na Rua Oscar de Barreto Filho, 252, pertinho do Terminal Grajaú e da estação CPTM Grajaú. Saiba mais aqui.

À noite, a partir das 18h30, rola o Sarau Despertar no Centro Comunitário Jardim Sete de Setembro ( Av. Carlos Alberto Bastos Machado, S/N – confira aqui) Em sua 13ª edição, o evento aborda o reconhecimento e a valorização da identidade negra. Pra ajudar nessa reflexão, o coletivo convida o escritor, poeta, slammer, ativista cultural e mestre de cerimônias Cleyton Mendes. Formado em Publicidade e Propaganda e autor dos livros “ Relatos De Uma Insônia” “CONTRAINDICAÇÃO” “Etcetera” e “África é Logo Aqui”.

E diretamente da Brasilândia, zona Norte da cidade, o artista visual Griô soma com grafite ao vivo. O som fica por conta de James Bantu. O artista é parte da geração que reformulou a audição de música negra brasileira e o resultado é um som melódico e harmônico, com levadas muito suingadas e letras cheias de percepções filosóficas, histórias negras cotidianas, discursos refinados de identidade e outras sutilezas.

A poesia continua no domingo (17/11), com o Sarau das Mina, coletiva composta por mulheres, artistas, poetizas e mães que atuam na zona Sul de São Paulo produzindo apresentações de poesia, música, teatro e exposições com o foco de ocupar espaços e dar sustento à voz e representatividade feminina.

Nesta edição, o evento tem pocket show com Juliana Barros, tarô com Beatriz Oliveira, microfone aberto, venda de livros, cerveja artesanal e comidas. O espaço tem fraldário e é adaptado para crianças.

Das 18h às 23h, no Graja Beer Pub, que fica na avenida Manuel Alves Soares, 381 – Jardim Colonial – Extremo Sul de São Paulo. Veja aqui.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: