Espetáculo traça paralelo entre orixás, negação do racismo e vivências dos próprios artistas Inspirado no livro homônimo de Frantz Fanon, a companhia de dança negra Treme Terra volta aos palcos com o espetáculo “Pele Negra, Máscaras Brancas”

Nesta quarta-feira (17 de dezembro), feriado do aniversário de São Paulo, a companhia de dança negra Treme Terra apresenta seu novo espetáculo “Pele Negra, Máscaras Brancas”. Inspirado no livro de mesmo nome de Frantz Fanon, o grupo se baseia em estudos sobre as relações étnico-raciais no Brasil e traça um paralelo entre o livro, a mitologia dos orixás e experiências pessoais relatadas em depoimentos pelos artistas do elenco. Neste trabalho, o livro é utilizado como principal material disparador para as composições coreográficas e musicais. O espetáculo conta com a direção de João Nascimento e Firmino Pitanga.

O Treme Terra surgiu em 2006, com o propósito de valorizar, pesquisar e difundir a cultura negra. Em 2009, a companhia estreiou sua primeira obra, chamada “Cultura de Resistência”. Em 2012, veio o trabalho “Terreiro Urbano”.

O psiquiatra e ensaísta negro Frantz Fanon nasceu na ilha de domínio francês de Martinica, no Caribe, e se envolveu na luta pela independência da Argélia. Seu livro “Pele Negra, Máscaras Brancas” aborda a negação do racismo contra os negros na França e as consequências psicológicas da colonização.

Anotaí!
O quê?

Pele Negra, Máscaras Brancas

Mais informações: https://www.facebook.com/events/363700960681227/
Quando? Quarta-feira, 25 de janeiro, às 20h
Onde? Galerida Olido - Espaço da Dança
Avenida São João - Centro de São Paulo
Adicionar à agenda do Google