Com inscrições até domingo (7/11), a segunda edição do edital Traços vai selecionar até 70 lideranças negras periféricas e destinar a cada uma delas o montante de R$ 15 mil. O valor deve ser utilizado para o fortalecimento e desenvolvimento de suas carreiras na política e na área jurídica. Clique aqui para participar.

Estão aptas a participar do processo seletivo lideranças negras com idade acima de 21 anos, de origem periférica, que aspirem transformar e aprimorar suas competências e habilidades pessoais para revigorar e fortalecer suas atuações sociais, políticas e profissionais.

Para isso, o edital oferece recursos que poderão ser investidos em atividades como cursos preparatórios para concursos públicos em carreiras jurídicas, pós-graduações, pagamento de taxas de inscrição em exames para ingresso em carreiras jurídicas, intercâmbios, congressos e seminários, além de cursos de idiomas, oratória e cursos livres que abordem temáticas relacionadas à consolidação da democracia e à superação das desigualdades.

Este conteúdo aplica Linguagem Neutra e impessoal. Saiba mais aqui!

Além da vivência periférica, para participar é preciso ter perfil de liderança e apresentar uma carta de recomendação emitida por pares, parceiros institucionais, empresas, coletivos ou redes que reconheçam sua trajetória e compromisso com as periferias urbanas brasileiras ou contextos periféricos urbanos, além da experiência na liderança de processos, equipes e iniciativas na modalidade de atuação.

Na modalidade política institucional, serão beneficiades ativistas com atuação em prol dos direitos e valores democráticos e que almejam ocupar cargo eletivo nos Poderes Executivo ou Legislativo. Na modalidade carreira jurídica, devem ter gradução em direito e aspirarem ingressar na carreira jurídica do setor público, em juizados, promotorias, defensorias ou delegacias, por exemplo.

A edição passada, realizada em 2020, selecionou 31 lideranças negras. É o caso da jovem Raquel Motta, moradora da zona norte de São Paulo e fundadora e CEO do Sue The Real, um estúdio de jogos com foco na narrativa afro-brasileira. Já Felipe Teixeira, morador de Porto Alegre e coordenador Nacional do MNU (Movimento Negro Unificado), expandiu conhecimentos e habilidades em audiovisual.

O edital Traços integra a Plataforma Alas – Apoio a Lideranças Negras e é uma iniciativa da Fundação Tide Setubal com o Instituto Ibirapitanga, a Porticus, o Instituto Galo da Manhã e a Open Society.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CAIU TUDO POR AÍ?

Siga a gente no Twitter!

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: