Do corpo, da natureza e da quebrada: 03 atividades pra ampliar os conhecimentos na região do Grajaú, em São Paulo

Do corpo, da natureza e da quebrada: 03 atividades pra ampliar os conhecimentos na região do Grajaú, em São Paulo

Periferia em Movimento

Periferia em Movimento

Hora de colocar em prática as resoluções de ano novo!

Se você colocou a troca de saberes como resolução de ano novo – ou não colocou, mas agora se ligou nessa possibilidade –, a Periferia em Movimento dá uma mão para indicar 03 possibilidades de ampliar esses conhecimentos de forma gratuita e na quebrada. Segue!

Com objetivo de proporcionar vivências ecoterapêuticas para idosas e idosos, o coletivo Germinar realiza encontros semanais às terças-feiras e quinzenais aos sábados com diferentes vivências que tratam conhecimentos sobre a natureza e a relação humana com ela. Nesta terça (04/02), às 09h, o tema é “Conhecendo os pigmentos naturais”, com mediação Nathalia Lima. Prática milenar que antecede os registros escritos, o tingimento inclui colar plantas ao tecido ou esfregar pigmentos triturados nos panos.

A proposta da atividade é abordar a história dessa prática e como encontrar na natureza ou com restos de casca de vegetais, plantas os pigmentos naturais para que possam fazer o tingimento em casa de forma simples e sustentável.

O projeto acontece com apoio do Programa VAI da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo e os encontros ocorrem no A Bordar Espaço Terapêutico, que fica na avenida Lourenço Cabreira, 489 – Jardim Primavera. Saiba mais aqui.

O mesmo espaço recebe inscrições neste e no próximo sábado (dias 08 e 15/02), entre 09h e 13h, para o curso “Há Manhãs: Mulheres Periféricas em Defesa de Suas Corpas”, uma formação em direitos sexuais e reprodutivos para mulheres periféricas financiado pelo Fundo Elas.

Voltado para mulheres, o curso é gratuito, inclui vale-transporte e alimentação, e tem início em 29 de fevereiro e acontece em 12 encontros semanais, também aos sábados. Para participar, é necessário levar o RG no dia da inscrição. Saiba mais aqui.

Adélia Prates

Também neste sábado, a Cia Teatral Enchendo Laje e Soltando Pipa promove a primeira roda de conversa do ano com o tema “Migrantes em São Paulo e a formação da periferia”. Como convidadas mediadoras, estão Adélia Prates e Maria Vilani. O projeto tem apoio do Programa de Fomento à Cultura da Periferia, da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. A partir das 14h, no Parque Shangri-Lá, que fica na Irmã Maria Lourenço, sem número. Veja aqui.

Natural do interior paulista e com parte da adolescência vivida na Bahia, Adélia chegou ao Grajaú nos anos 1970 e atuou ativamente na luta por direitos básicos, desde educação e moradia até o combate ao machismo, sendo uma das fundadoras da Associação de Mulheres do Grajaú. Já Maria Vilani saiu de Fortaleza nos anos 1970 para criar a família na periferia de São Paulo. Se engajou nos movimentos com Adélia e, em 1990, fundou o Centro de Arte e Promoção Social – CAPS Artes Grajaú. Contamos parte de suas histórias aqui e aqui.

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Apoie!
Skip to content