Dia da Mulher Negra: reflexão e resistência no Extremo Sul

Dia da Mulher Negra: reflexão e resistência no Extremo Sul

Periferia em Movimento

Periferia em Movimento

Para lembrar e pensar sobre o Dia da Mulher Negra, coletivos Dona Maria Antifascista, Mulheres na Luta e Abayomi Aba promovem atividades no dia 25 de julho

Elas já abortaram para livrar os filhos da escravidão. Sem destino após a abolição, continuaram lutando para colocar comida em casa. Do julgo imposto ainda em território africano ao Brasil contemporâneo, as mulheres negras continuam resistindo neste canto do mundo.

No próximo dia 25 de julho (sábado), celebra-se o Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, instituído em 1992 durante encontro de mulheres afrodescendentes de todo o continente em São Domingo, na República Dominicana. Em 2014, a presidenta Dilma Rousseff sancionou a lei que estabelece oficialmente no Brasil essa data como o Dia da Mulher Negra e de Tereza de Benguela, que por duas décadas foi rainha de um quilombo em Mato Grosso até a queda em 1770.

Para lembrar a data e discutir questões importantes relativas à realidade da mulher negra, coletivos e movimentos do Extremo Sul de São Paulo promovem diversas atividades neste sábado.

Na Vila Clipper, distrito de Cidade Dutra, os coletivos Dona Maria Antifascista e Mulheres na Luta promovem oficinas de trança, turbante e bonecas Abayomi, um grafitaço feminista e um debate sobre a identidade da mulher negra.

Além disso, a MCs Simony, Cyblack e Mary D se apresentam no evento, que tem microfone aberto.

E no Circo Escola Grajaú, o coletivo Abayomi Aba realiza seu oitavo encontro com uma roda de vivências sobre as realidades da mulher negra nas periferias mediado por Tati Preta Soul. Participam da conversa Monica Gonçalves (do Comitê Contra o Genocído), Lili Souza (Coletivo Malungo), Mirella Santos (do Museu Afro), Gabi Nunes (da ocupação Carolina Maria de Jesus) e Fabiana (África Plus Size).

Também tem oficinas de turbante, bonecas abayomi, contação de histórias, produção musical, stencil, além das apresentações de Luana Hansen e Luana Bayô, teatro com a Trupe Artemanha e microfone aberto.

Anotaí!

Dia da Mulher Negra na Associação Vila Clipper

Quando? Sábado, 25 de julho, das 12h às 21h

Onde? Na rua Lucilo Varejão, 390 – Vila Clipper – Cidade Dutra – Extremo Sul de São Paulo

Mais informações aqui

 

Dia da Mulher Negra no Circo Escola Grajaú

Quando? Sábado, 25 de julho, das 14h às 20h

Onde? Na avenida Dona Belmira Marin, 1247 – Grajaú – Extremo Sul de São Paulo

Mais informações aqui

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Apoie!
Skip to content