A interação social entre mulheres, seja de cunho fraternal ou não, é fortemente influenciada pela competitividade e animosidade.

“Mesmo quando não temos nenhum motivo concreto para não gostar de uma mulher, por alguma razão sempre achamos que estamos sendo avaliadas ou, na pior das hipóteses, somos nós quem avaliamos de forma negativa nossas companheiras mesmo sem conhecê-la”, indaga o Coletivo Malungo, que por meio da cultura e educação resgata a matriz africana na nossa formação e como seus elementos estão fortemente presentes nas periferias.

Para o Coletivo, o cenário político atual tende a ser um ponto a mais de cisão dentro do contexto feminista, com correntes cada vez mais radicais e separatistas que excluem mulheres periféricas e, principalmente, transexuais.

Por isso, acontece neste domingo (13 de setembro) a roda de conversa Solidariedade entre Mulheres, que visa o fortalecimento frente à sociedade machista. Participam a socióloga Mariana Laiola e a designer gráfica Mayra Carvalho.

Anotaí!

Solidariedade entre Mulheres

Quando? Neste domingo, 13 de setembro, às 15h

Onde? No Centro de Convivência da Mulher – Rua Prof. Oscar Barreto Filho, 350 – Parque América – Grajaú – Extremo Sul de São Paulo

Mais informações aqui

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: