Foto de Geovanna Gelan

Cia. de Teatro Heliópolis estreia peça inspirada em escolas da comunidade

 

A Companhia de Teatro Heliópolis estreia neste sábado (22 de agosto) o espetáculo “A Inocência do Que Eu (Não) Sei”, na Casa de Teatro Maria José de Carvalho, Ipiranga. A temporada, que segue até o dia 4 de outubro, tem entrada franca.

O espetáculo é resultante do projeto “Onde O Percurso Começa? Princípios de Identidade e Alteridade no Campo da Educação”, que envolve uma intensa pesquisa teatral e de campo em três escolas públicas de Heliópolis, viabilizado pela Lei do Fomento ao Teatro Para a Cidade de São Paulo.

O enredo apresenta quatro trajetos que mostram os desejos e as contradições de pessoas em busca de aprendizagem: o Menino Rapaz que vence; a Feliz Mulher que se adapta; o Caminhante em busca do saber; e a Mulher que come maçãs. De modo poético e irônico a peça extrapola o universo escolar para discutir relações humanas mediadas por dispositivos de controle social e econômico.

Ainda que tenha o universo escolar como tema, a peça vai para além do caráter arqueológico encontrado em campo, pois traz para a cena personagens que vivem situações de aprendizado na vida.

O Menino Rapaz que vence (David Guimarães) é um jovem ingênuo que vive as primeiras experiências na escola. Seu perfil é o do garoto ‘certinho’ que passa a reproduzir os parâmetros sociais que vivenciou. A Feliz Mulher que se adapta (Klaviany Costa) registra fortes experiências diante das ‘pauladas’ e dos traumas vividos, restando-lhe apenas adaptar-se e moldar a sua personalidade para sobreviver em um sistema educacional perverso.

O Caminhante em busca do saber (Donizete Bomfim) é um andarilho que vem, provavelmente, do sertão nordestino. Ele entende sua vida mais pela experiência que pela educação formal. Seu pai, um homem simples, dizia-lhe que ‘precisava correr em busca do saber’. O percurso da Mulher que come maçã (Dalma Régia) não é apresentado somente pela dramaturgia da fala. São as ações que traçam sua trajetória e geram seu discurso. Nos “movimentos” dessa personagem o espectador se depara com as questões da mulher que tem sede pelo conhecimento popular em detrimento do conhecimento acadêmico.

A encenação usa de expedientes épicos e performáticos para construir as cenas aos olhos do espectador. Cada elemento apresentado tem como elo os “movimentos” seguintes de cada trajetória, sendo apresentados por códigos sonoros descritos, alternadamente, pelos atores.

Anotaí!

Espetáculo “A Inocência do Que Eu (Não) Sei”

Quando? Estreia neste sábado, 22 de agosto, às 20h. Temporada até 04 de outubro, aos sábados (20h) e domingos (19h)

Onde? Casa de Teatro Maria José de Carvalho – Rua Silva Bueno 1533, Ipiranga – São Paulo

Mais informações: (11) 2060-0318 ou pelo e-mail [email protected].

Grátis e com possibilidade de agendamento para escolas