Foto: Liliane Rodrigues

Velho Batista veio da roça, do sertão, em busca de vida melhor em São Paulo. Foi morar nas franjas do Grajaú, distrito à margem da represa Billings. É do tempo em que se pescava no lago com vara, rede, tarrafa e até com a mão, veja só.

Mais gente foi chegando, chegando… E houve uma época em que os meninos saiam de rolê para ver gente morta na vizinhança – os “presuntos” desovados na noite anterior.

Viu a chegada do transporte, da escola e do posto de saúde – que tem, mas não funciona. E também do “progresso” representado pela Casas Bahia.

Personagem de um espetáculo teatral, o Velho Batista na verdade é real. Quem dá vida – e veracidade – a ele é o ator Paulo Henrique Sant”Anna, de 29 anos. No bar do pai, onde cresceu, ouviu muitos “causos” contados por outros homens, outros “Batistas”.

É a partir de suas lembranças que nasce o espetáculo “Histórias do Velho Batista”, que traz em seu contexto vivências nos bairros Cantinho do Céu, Lago Azul e Jardim Gaivotas – todos eles localizados em penínsulas banhadas pela Billings.

A ficha caiu após três viagens ao sertão de Minas Gerais, onde o escritor João Guimarães Rosa caminhou e se inspirou para escrever obras como “Grande Sertão: Veredas”.

E quando eu via o sertão, lembrava dessa região do Cocaia, onde tem muitos migrantes principalmente do Nordeste. O que fiz foi pegar e dilatar o que tá na veia de quem mora ali”, conta.

Foram anos de pesquisa, quatro meses de escrita, um mês e meio de ensaio antes da estreia, há cerca de um ano. Ao todo, o espetáculo foi encenado seis vezes.

O resgate da tradição do oral e valorização do homem caipira se materializam em cores, cheiros e recordações: o altar com santos e deuses de diferentes credos, o radinho de pilha que toca sertanejo de raiz, as canecas esmaltadas à espera do café passado no coador de pano – signos que dão um tom intimista a “Histórias do Velho Batista”, ainda sem previsão de quando entra novamenta em cartaz.

Para conhecer os trabalhos de Paulo Henrique Sant”Anna, clique aqui.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

× Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: