Artigo: “É nas bordas que a vida pulsa” Criada em Parelheiros (Extremo Sul de São Paulo), a jornalista Mariana Belmont fala do projeto "Clima e territórios" e o desafio de abordar mudanças climáticas e seu impacto para quem vive nas periferias

Por Mariana Belmont, jornalista, integrante do coletivo Imargem e articuladora do projeto “Clima e territórios”

Existem fronteiras que são linhas traçadas não apenas sobre territórios, mas também dentro de nossas cabeças, das nossas histórias, famílias e dificuldades. Os territórios são criados em nossa imaginação desde a infância, entre a poesia e a luta, que chega a doer. Há muitos estudos tentando descrever a migração do campo para as ditas “grandes cidades”. Atualmente há o fenômeno da migração reversa, da cidade para o campo, interrompendo uma tendência nas grandes metrópoles. Pouco se ouve o que é falado por quem construiu esses espaços.

As definições de margens, periferias, becos, vielas, favelas, morros, ruas e lugares afastados do olhar gentrificador dos “grandes centros” são múltiplas. A professora da FAU/USP Raquel Rolnik propõe um conceito de periferia que

“foi forjado de uma leitura da cidade surgida de um desenvolvimento urbano que se deu a partir dos anos 1980. Esse modelo de desenvolvimento privou as faixas de menor renda de condições básicas de urbanidade e de inserção efetiva à cidade. Essa talvez seja sua principal característica, migrada de uma ideia geográfica, dos loteamentos distantes do centro. Mas é preciso lembrar que a periferia é marcada muito mais pela precariedade e pela falta de assistência e de recursos do que pela localização”

É, faz sentido, Raquel.

Afinal, do que estamos falando? O desafio aqui é falar sobre mudanças climáticas. Esquece o urso polar no Ártico e comece a lembrar da nossa sobrevivência em territórios descartados pelo poder público, grandes territórios, pouco orçamento. Quando as chuvas chegam com força em meses variados do ano, quando o esgoto escorre, quando o rio sobe e leva sua casa, quando tantas mazelas ocorrem nas periferias das cidades, a gente não faz a conexão entre elas e os efeitos das mudanças climáticas.

E não é só isso, as comunidades tradicionais são historicamente expulsas de seus territórios, por elas protegidos, para dar lugar a grandes plantações de soja, ou construções de grandes hidrelétricas, com a desculpa de necessidade de mais e mais energia elétrica para o país. Os índios, os quilombolas, caiçaras, ribeirinhas e tantas comunidades que resistem são responsáveis por conter avanços descontrolados financiados por governos, sem a menor sensibilidade para a importância da existência desses povos originários.

Me veio uma reflexão dia desses, sobre as cores das latas de lixo nas ruas.Elas são verdes. Pode parecer maluco, mas você já parou para pensar que o verde limpa, dá um ar de agradável nos espaços. No entanto, a cor verde não significa mudanças, água limpa, reflorestamento e menos locais insalubres para se morar e viver dignamente nas cidades. Não parece lógico, mas a cor verde usado pelo poder público é estético e não resolve problemas.

Um conceito não muito conhecido é o “racismo ambiental”, trouxe um exemplo aqui para melhor entendermos. Pense: nenhum governo decide fazer um lixão em bairros de classes ricos das cidades. A decisão de onde jogar os resíduos está ligada à imagem que se tem da população em quem você joga lixo. Outro exemplo importante é a flexibilização do licenciamento ambiental de empreendimentos e alterações no processo demarcatório de terras indígenas e territórios quilombolas. Chamamos de racismo ambiental injustiças sociais e ambientais que recaem de forma implacável sobre etnias e populações mais vulneráveis. O conceito desafia a sociedade a ampliar visões de mundo e a lutar por um novo processo menos desigual e justo, onde a democracia não seja direito de poucos privilegiados.

Temas como a questão de moradias em áreas irregulares, enchente, desmoronamento, desmatamento, falta de água e saneamento básico são problemas que esperávamos que fossem discutidos em encontros de acordos na Conferência das Partes (COP), mas não. O que acontecem são acordos de portas fechadas entre grandes governantes. E quem fala sobre nós?

CLIQUE AQUI E CONFIRA ESSAS E OUTRAS FOTOS DA IMERSÃO “CLIMA E TERRITÓRIOS”, POR LEU BRITO (COLETIVO DICAMPANA)

1° Encontro de Clima e Território - 4° Dia

Nós por nós, falando sobre e a partir de nossos territórios. Somos coletivos, grupos, movimentos Podemos listar infinitos tipos e formatos de iniciativas que produzem conteúdos, sobre e a partir das periferias e territórios pressionados pelo Estado. Com nossa múltipla diversidade, problemas, históricos de luta e resistência. Sim, a notícia tem CEP.Sim, pautamos, contrapomos e conectamos protagonistas que constroem uma outra narrativa possível.

Reunimos um pedaço bem pequeno dessa galera e nos reunimos em Parelheiros, entre 27 de abril a 1 de maio. Um encontro de tretas e construções incríveis que se conectam.São diferentes, mas iguais. E foi potência, foi respiro, foi descoberta, foi incômodo, mas acima de tudo, foi lindo. Até parece que já nascemos irmãos, de treta!

O Imargem, coletivo que eu e Carol Pires fazemos parte em São Paulo, topou o desafio de mapear coletivos de comunicação, mas foi além, reunimos pessoas e trabalhos sérios e que acontecem em seis cidades do país. Em uma mesma roda com Recife, Salvador, Santarém, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal. Um encontro para falarmos de nós enquanto indivíduos, falarmos sobre nossos territórios,sobre mudanças climáticas e comunicação. Foram quatro dias intensos de conversas, atividades, rodas, brincadeiras, cervejas, Periferia Trans, laços feitos e afetos reunidos. E acima de tudo, mais um passo na transformação de uma rede potente de proteção entre comunicadores, que segue se autoconstruindo.

Todos voltamos com tarefas para casa, pensar em projetos entre as cidades reunidas, projetos sobre os territórios de cada olhar, recortes que costuram outras redes, fortalecem trabalhos já realizados e que precisava de um ponta pé pra seguir mais em frente, outros para renascerem. É cada projeto lindo saindo do forno em breve. Estivemos com Caranguejo Uça (PE), Favela News (PE), Instituto Mídia Étnica (BA), CBCom (BA), Rede Mocoronga (PA), Marginal (RJ), Jornal O Cidadão (RJ), Alma Preta (SP), Periferia em Movimento (SP) e DUCA (DF). Outros coletivos foram convidados para registrar todo o encontro, então estiveram por lá DiCampana FotoColetivo e Coletivo Pujança. E uma porção de convidados que agitaram debates e diálogos potentes, fazendo conexões, distribuindo olhares e trocando percepções. Foi lindo!

Toda essa construção por cidades mais humanas, conectadas e justas me lembra um trecho do livro “The Spirit Catches You And You Fall Down”, Farrar, Straus and Giroux, NY, 1998, de Anne Fadiman, que traz um gosto igual ao meu sobre esses territórios em constante construção e luta:

Sempre senti que a ação mais interessante não está no centro das coisas, mas onde suas bordas se encontram. Gosto das linhas costeiras, limites climáticos, fronteiras internacionais. Lugares onde curiosas fricções e incongruências acontecem, e onde, geralmente, se você se coloca na tangência, se permite ver os seus lados melhor do que se estivesse no meio de qualquer um dos dois. 

Foto em destaque: Finalização da imersão do projeto “Clima e territórios”, com integrantes dos 10 coletivos participantes em Parelheiros (Extremo Sul de São Paulo). No Periferia em Movimento, os resultados dessas trocas podem ser conferidos na série “Saberes da Natureza” clicando aqui.