Abraço Guarapiranga alerta: água não é mercadoria Edição que acontece neste domingo (04 de junho) no Jardim Ângela e na Capela do Socorro chama atenção para a responsabilidade dos governos em garantir o acesso a um bem essencial para a vida

Com informações do Instituto Socioambiental e Rede De Olho nos Mananciais

Com apoio de mais de 60 organizações da sociedade civil (entre ONGs, movimentos sociais e o coletivo Luta pela Água) que compõem a Aliança pela Água, o Abraço Guarapiranga 2017 acontece neste domingo (04 de junho) e tem como tema: “Por novas atitudes de cuidado com a água. Basta de degradação”.

O evento, que acontece desde 2006, neste ano ressalta que água não é mercadoria, e sim um bem essencial cujo acesso é um direito humano. Ao mesmo tempo, procura destacar que todos os níveis de governo têm responsabilidades com os recursos hídricos, e que, diante das recorrentes crises de abastecimento, ameaça de escassez, problemas de saúde e prejuízos econômicos, se faz urgente ações de recuperação e recomposição dos mananciais.

Criado com o objetivo de mobilizar e alertar cidadãos, empresas e governos para a urgência de se construir uma nova cultura de cuidado com a água, o Abraço é uma manifestação de respeito e carinho da população com as fontes de água de São Paulo, e também um ato de denúncia e indignação pelo descuido com as fontes de água.

No Brasil, os eventos extremos causados pelas mudanças climáticas se relacionam principalmente com a água conforme apontado por diversos estudos. As secas e enchentes tendem a ficar mais frequentes e duradouras, causando enormes perdas para todos.

Recentemente, São Paulo viveu uma grave crise no abastecimento de água. Torneiras secas viraram rotina para a população, que em legítima defesa, muitas vezes armazenou água inadequadamente, potencializando os casos de dengue, zica, chikungunya e outras doenças.

Mais uma vez, a crise simplesmente foi negada pelos governos que se apressaram em anunciar obras que atropelaram os processos de licenciamento ambiental e reforçam a prática de buscar água cada vez mais longe das cidades, encarecendo o fornecimento. Ao mesmo tempo, atitudes concretas de redução das perdas por vazamentos e providências para o consumo consciente, permanecem como mera expectativa.

A coleta e o tratamento de esgotos pouco têm avançado. E as represas Guarapiranga e Billings continuam sendo poluídas com grande carga de dejetos.

As áreas verdes, que são essenciais para a proteção dos mananciais e para a produção de água, sofrem com a devastação indiscriminada, as pressões e ameaças da especulação imobiliária, dos grandes empreendimentos e pelas ocupações desordenadas. Enquanto isso, o sistema de fiscalização e punição continuam frágeis.

Confira a programação

Jardim Ângela / M’Boi Mirim

8h00 – Saída de caminhadas das Paróquias da Região em direção ao Parque Ecológico do Guarapiranga – Estrada da Riviera, 3286

9h45 – Celebração de Missa Campal no Parque Ecológico do Guarapiranga

11h30 – Plantio simbólico de mudas

12h00 – Abraço à Guarapiranga

 

Parque da Barragem / Capela do Socorro – Av. Atlântica, altura do nº 1.100 em frente ao 102º DP

9h – Saída do Pedal do Abraço da Praça do Ciclista (avenida Paulista) em direção ao Pq. da Barragem, com chegada prevista as 11h00

10h – Shows e atividades culturais (Arrastão do Beco Música Percussiva Popular), oficinas ambientais

11h – Plantio simbólico de mudas

12h – Arrastão do Beco puxará o Abraço à Guarapiranga