(Foto: Thiago Borges / Periferia em Movimento)

“A música tá acima da idade”, diz KL Jay, sobre as diferentes gerações do rap

Emicida, Criolo e outros nomes são uma ruptura com o rap antigo, imortalizado por ícones como os Racionais MCs?

Vira e mexe, sai alguma coisa do tipo na grande imprensa, que geralmente sai do centro e vem visitar a periferia para depois dar sua visão das coisas.

E para quem é comparado, isso faz sentido?

“A gente tá fazendo música, independente da idade”, aponta KL Jay, um dos integrantes dos Racionais MCs, em entrevista exclusiva para o Periferia em Movimento. “A música tá acima das gerações”

A conversa rolou na quinta passada, dia 27, no show de lançamento do álbum “Homem Figa vol. 1”, do Terra Preta, que tem 25 anos de idade. KL Jay era um dos convidados, evidenciando o encontro de diferentes gerações do rap nacional.

“O KL Jay me influenciou sem saber, quando eu ouvia o [programa de rádio] ‘Balanço Rap’”, lembra Terra Preta.

“Através da música, a gente se encontra e faz história. São novas gerações, porque a gente está gerando…”, adiciona o carioca MC Marechal, outro nome recente do rap.

“O pessoal mais antigo tá voltando com muita força porque a rapazeada nova deu uma impulsionada, e por sua vez quem preparou o terreno foram eles”, observa Rincon Sapiência.

“A música é maior que o futebol, porque o Pelé não pode jogar com o Neymar”, compara KL Jay. “E o Pelé não joga com Michael Jordan, enquanto a gente pode jogar com Jimi Hendrix”, completa Marechal.

CONFIRA IMAGENS DO SHOW DE TERRA PRETA

Este slideshow necessita de JavaScript.