#Memória2015: O patricardo tremeu com a luta das mulheres e LGBTs

Em 2015, você mudou sua perspectiva de gênero e sexualidade? Foram diversas as oportunidades para desconstruir estereótipos e reconhecer os privilégios.

O Brasil é o país com maior número de mortes de pessoas trans e mata um LGBT a cada 26 horas. Levantamentos mostraram que uma em cada cinco mulheres já foi espancada pelo marido, que a maioria das mulheres da periferia receberam tratamentos diferentes na sua criação por influência de seu gênero e já deixaram de fazer alguma coisa por medo da violência.

Conhecemos o TOP 10 do WhatsApp, enfrentamos os conservadores do Congresso e quase ficamos sem pílula do dia seguinte. Em 2015, os gritos de #ForaCunha ressoaram na busca por respeito, direitos e igualdade de gênero. Movimentos apontaram a necessidade de falar de gênero no Plano Municipal de Educação. Nas redes, mulheres relataram abusos e assédios por hashtags como #PrimeiroAssédio, #MeuAmigoSecreto e #NãoPoetizeOMachismo. Relembre o que mostramos sobre essa luta em 2015: