Quais práticas ancestrais de promoção da saúde que encontramos nas periferias? O que a psicologia tem a ver com isso? E a grande mídia está preocupada com a garantia de nossos direitos? Nesse momento em que muito se fala de repressão, sabemos mesmo o que é o fascismo?

Neste final de semana, vários encontros na Zona Sul de São Paulo propõem reflexões a partir dessas perguntas, e a Periferia em Movimento lista para você.

Na sexta-feira (22/02), das 18h30 às 20h, o A Bordar Espaço Terapêutico inicia o Grupo de “Ex-tudo” sobre saúde periférica. A proposta é construir reflexões e pesquisas sobre a história da saúde periférica por meio de leitura crítica de textos, vídeos, pesquisas histórico-afetivas junto às avós, bisavós, mães e opinião de crianças e adolescentes periféricas sobre o acesso à saúde na atualidade.

Os encontros acontecerão quinzenalmente, na avenida Fernando Amaro Miranda, 73 – Jardim Colonial – Extremo Sul de São Paulo. Saiba mais aqui.

No sábado (23/02), a discussão pode ser estendida na Roda de Psicologias do CAPS – Centro de Arte e Promoção Social do Grajaú (foto em destaque). A roda de conversa estreia discutindo as mais variadas correntes da psicologia. No mesmo dia e local, a organização também promove um encontro do Ateliê de Escrita com Clayton Cavalcanti, sobre crônicas. A partir das 16h, na rua Jequirituba, 325 – a 250 metros da estação Primavera-Interlagos da CPTM, também no Extremo Sul de São Paulo. Saiba mais aqui.

Também no sábado, o projeto Masculinidade Quebrada dá sequência à série de encontros para discutir formas de ser homem na periferia com um encontro sobre o sistema carcerário. E para o diálogo, convida o Coletivo Amparar, que reúne familiares de pessoas presas. A partir das 15h, no Conteiner 011 do CEU Vila Rubi – Rua Domingos Tarroso, 101.

Jornalismo, militância e fascismo

Mais cedo, a partir das 13h do mesmo dia, o coletivo Desenrola e Não Me Enrola e a Ponte Jornalismo promovem um debate sobre Jornalismo e Militância nas Periferias. O encontro ocorre no Centro de Mídia M’Boi Mirim, que fica na rua Thereza Silveira de Almeida, 03 – Jardim Ângela. Confira aqui.

A proposta é discutir a abordagem dos direitos humanos pela mídia hegemônica, como fazer denúncias de violações e reagir a ataques ao direito de manifestação. A Periferia em Movimento participa do debate representada por Aline Rodrigues, que estará ao lado de Camila Marques (da ONG Artigo 19), Antonio Junião (da Ponte Jornalismo) e da militante Helena Silvestre.

Também no sábado, das 18h às 21h, acontece uma roda de conversa e debate sobre fascismo e autocracias. O encontro promovido pelo Grupo de Estudos do PSOL e Simpatizantes acontece na Subsede de Santo Amaro da Apeoesp, que fica na rua Cerqueira César, 480. Veja aqui.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: