São Paulo: Por que servidores municipais estão em greve?

Periferia em Movimento

Periferia em Movimento

Trabalhadores (principalmente na Educação) cruzam os braços após Prefeitura forçar Reforma da Previdência aprovada na semana entre Natal e Ano Novo
Foto em destaque: Cadu Bazilevski

Escolas paralisadas, hospitais mobilizados e milhares de trabalhadores de braços cruzados. Desde o dia 04 de fevereiro, a Prefeitura de São Paulo enfrenta uma greve do funcionalismo público.
Os servidores protestam contra a Reforma da Previdência aprovada no final do ano passado, entre o Natal e o Ano Novo. E nesta quinta-feira (07/02), um novo ato aconteceu na cidade, deliberando pela continuidade da greve.
Nesta sexta (08/02), acontecem atos regionalizados em diferentes pontos do município (Confira no flyer ao lado), enquanto na próxima quarta (13/02) uma nova assembleia ocorre em frente à Prefeitura
Professor e assistente de direção em escolas municipais do Extremo Sul de São Paulo, Marcelo Costa Sena passou a semana mobilizando colegas e conversando com a comunidade. A Periferia em Movimento conversou com ele. Confira no vídeo:

O que é a Reforma?

Com a justificativa de combater um rombo das contas públicas, a Prefeitura propôs uma Reforma da Previdência do funcionalismo público municipal que aumenta o desconto de 11% para 14% do salário mensal para cobrir esse déficit. Somado aos descontos de Imposto de Renda, o confisco no salário dos servidores chega a mais de um terço do salário.
Além disso, a Reforma cria a Sampaprev para administrar um fundo de capitalização para quem ganha acima de R$ 5,6 mil por mês. Os trabalhadores apontam que esse é um caminho para a venda da previdência municipal para bancos privados.
Em março de 2018, ainda sob a gestão de João Doria na Prefeitura, os servidores fizeram uma greve vitoriosa de 20 dias para barrar o aumento da alíquota para 19%. Após as eleições, Bruno Covas manobrou e o projeto foi votado e aprovado pelos vereadores na Câmara Municipal entre o Natal e o Ano Novo – dificultando a mobilização.
Agora, além da revogação do projeto, trabalhadores reivindicam reajuste salarial de 10% e valorização do serviço público.

PARTICIPE DE NOSSA PESQUISA DE OPINIÃO

Autor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Comente usando o facebook

Nosso manifesto:

Nossas redes sociais:

Notícias recentes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também

Posts relacionados:

Apoie!
Skip to content