#NossoBonde: “Sou otimista por conhecer a nossa força enquanto povo periférico”

Cristiane Rosa é uma mulher negra e periférica do Grajaú na luta em diversas frentes. E, apesar da situação desesperadora, ela vê caminhos para resistência

#Matriarcas: Da vontade de estudar, ela lutou por escolas e virou professora

Conheça a história da professora Maria da Glória

#NossoBonde: “As crianças e jovens vão romper as barreiras das pontes”

Para Dona Eda Luiz, a busca por direitos nas periferias se fortaleceu nos últimos 10 anos. E o CIEJA Campo Limpo, escola pública que ela dirigiu por 20 anos e se tornou modelo de educação, é parte fundamental nesse processo. Extremamente otimista, como ela própria se define, ela acredita na construção de uma cidade mais humana e solidária daqui pra frente

#NossoBonde: “Que a gente exerça o poder em nosso próprio nome”

Douglas Belchior, professor e integrante da rede de cursinhos populares Uneafro, avalia a última e a próxima década na perspectiva das quebradas

Prefeitura corta grana pra Assistência Social: O que você tem a ver com isso?

Gestão de Bruno Covas congela R$ 240 milhões de serviços para população em maior risco social. Trabalhadores da área protestam contra medida

Jardim da União: a instabilidade é a única certeza

Com reabertura de processo judicial pela CDHU, quase 600 famílias podem ser despejadas de terreno que já é destinado a habitação popular no Extremo Sul de São Paulo

Aeroporto de Parelheiros pra quem?

Travada desde 2014 por contrariar o Plano Diretor Estratégico, após uma decisão judicial favorável publicada no início deste ano a proposta de construção de um Aeroporto de Parelheiros para jatinhos executivos obteve a certidão de uso e ocupação do solo da Prefeitura de São Paulo. A falta dessa certidão era o único impedimento para buscar […]

Grajaú: 60 famílias são removidas de moradias embaixo de torre de transmissão

Terreno privado tem alto risco à segurança das pessoas. Despejo rolou na semana passada, mas nenhum órgão público deu assistência a moradores. Quem ficou sem teto, contou apenas com caminhão de mudança. Moradores que perderam apenas parte da casa tentam reconstruir os lares

Rotina coletiva: e se você não precisasse atravessar a cidade todo dia?

Quem vive em São Paulo passa em média 3 horas por dia no transporte público. Isso poderia ser diferente se houvesse uma política de desenvolvimento econômico das periferias

Cultura estrangulada

Da falta de espaços culturais na quebrada à criminalização do funk, o poder público corta dinheiro da cultura e tira o direito de milhões de pessoas se expressarem ou consumirem arte

Ajude-nos no Catarse Doe
Receba notícias no WhatsApp Notícias no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: